ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUARTA  23    CAMPO GRANDE 19º

Meio Ambiente

Brigadista coloca fogo no Pantanal e desperta dúvida: "Pode isso?"

Vídeo viralizou acusando equipe de provocar incêndios, mas se trata de técnica de combate, explica analista do Prevfogo

Por Laiane Paixão | 15/09/2020 13:26
Brigadistas usam equipamento chamado de "pinga-fogo" na aplicação de técnica e evitar que o incêndio adentrasse na Estação Ecológica do Taiamã (Foto: Reprodução)
Brigadistas usam equipamento chamado de "pinga-fogo" na aplicação de técnica e evitar que o incêndio adentrasse na Estação Ecológica do Taiamã (Foto: Reprodução)

Vídeo que roda os grupos de Whatsapp hoje mostra uym brigadista "incendiando" o Pantanal, despertando a dúvida: Pode isso? A resposta é sim!

A técnica de combate chamada contrafogo é utilizada de forma preventiva e cria uma pequena linha de chamas que vai de encontro ao incêndio florestal quando há dificuldade de controle. Logo depois, o incêndio é apagado pelos brigadistas.

O analista ambiental Alexandre Pereira, do Prevfogo/Ibama (Sistema Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais), explica que a técnica é realizada com um equipamento chamado “pinga-fogo” e só pode ser manuseado por profissionais que possuam um conhecimento técnico e que tenham sido treinados pelas instituições especializadas no combate aos incêndios, como Ibama, ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) e Corpo de Bombeiros.

A técnica contrafogo também pode ser utilizada em outras situações, como a queima controlada para limpeza de pastagens e resto de culturas, e para a construção de aceiros, que visa retirar plantação ou vegetação de um determinado espaço.

Recentemente, um vídeo começou a circular nas redes sociais acusando brigadistas de colocar fogo no Pantanal. "Olha aí, os brigadistas, ao invés de apagar o fogo, estão tacando fogo. É brincadeira?", afirma uma voz masculina na gravação.

O analista do Prevfogo diz que o vídeo foi feito no domingo (13), enquanto a equipe do ICMBio trabalhava em Cáceres, no Mato Grosso.

“Ele utilizou a técnica para evitar que o incêndio adentrasse na Estação Ecológica do Taiamã, que inclusive é uma região onde nunca houve registro de incêndio florestal”, explica o coordenador que finaliza informando que em breve o instituto deve liberar uma nota técnica sobre o assunto.

Confira o vídeo polêmico abaixo e entenda como funciona a técnica: