ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 25º

Meio Ambiente

Decreto de emergência por causa das queimadas abrange 9 cidades de MS

Sobrevoo feito nesta quarta-feira pelos bombeiros revelo situação crítica

Marta Ferreira | 11/09/2019 18:13
Fumaça dos incêndios florestais que destróem vegetação em vários pontos em MS. (Foto: Divulgação/Bombeiros)
Fumaça dos incêndios florestais que destróem vegetação em vários pontos em MS. (Foto: Divulgação/Bombeiros)

O decreto de situação de emergência por causa do alto número de queimadas em Mato Grosso do Sul, a ser publicado nesta quinta-feira (11) pelo governo do Estado, vai abranger nove municípios, a maioria deles no Pantanal, entre eles Corumbá, campeã nacional em registros de incêndios florestais. A estimativa apresentada durante o anúncio da medida é de que já tenham sido consumidos pelo fogo mais de 1 milhão de hectares e o Estado quer apoio federal para combater o fogo que se alastra pela vegetação em meio à estiagem e forte calor.

Serão incluídos no decreto os municípios de Aquidauana, Anastácio, Miranda, Corumbá, Ladário e Porto Murtinho, no Pantanal. Os outros três são Bonito, Bodoquena e Dois Irmãos do Buriti. Há lugares onde as chamas começaram há vários dias e ainda não foram debeladas.

Rota do fogo - Sobrevoo com duração de seis horas, realizado nesta quarta-feira (11), por militares do Corpo de Bombeiros, revelou a extensão e gravidade dos focos de incêndios na região do Pantanal e na sua borda, abrangendo os municípios de Aquidauana, Miranda e Corumbá.

O objetivo, segundo divulgado, é que a visualização aérea com as respectivas coordenadas, dê elementos para a ação planejada da Defesa Civil do Estado e das brigadas de combate ao fogo e o emprego de novos equipamentos.

O tenente-coronel Fernando Carminati, relações públicas do comando do Corpo de Bombeiros, participou do sobrevoo e informou que a situação é crítica, obrigando a aeronave a operar por instrumento devido à fumaça. Ao Campo Grande News, ele disse que em Corumbá, a fumaça prejudicou totalmente a visualização.

Em Aquidauana e Dois Irmãos do Buriti, onde há chamas que começaram no sábado, também se vê muita fumaça.

Conforme o oficial, o fogo é muito intenso na Fazenda Caiman, em Miranda, onde o levantamento foi feito com a presença dos técnicos que coordenam a ação de combate aos focos. “Vai permitir um combate mais eficaz e pontual no local”, disse Carminati.

O sobrevoo compreendeu oito pontos de focos: Serra da Boa Sentença, Alto Rio Negro, Parque Estadual do Rio Negro, Parque Estadual Touro Morto, Fazenda Caiman, Fazenda Santa Rita (Bodoquena), Aldeia Água Branca e Pantanal de Corumbá.

Veja imagens feitas pelos bombeiros:

Auxílio - Para combater os focos de incêndios florestais, o governo oficializou pedido de apoio aéreo ao Cenad (Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres) para combate aos incêndios florestais na região do Pantanal e borda e Serra da Bodoquena, onde ocorrem a maioria dos focos de calor registrados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

A solicitação, afirma a administração estadual, antecipa o apoio operacional do governo federal que será garantido com o decreto de situação de emergência assinado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB). “Estamos nos adiantando à tramitação do pedido de apoio diante da situação crítica, onde mais de um milhão de hectares já foram queimados no Estado em 40 dias”, disse o tenente-coronel Fábio Catarinelli, coordenador de Defesa Civil do Estado.

Com 1.552 focos de incêndios florestais neste mês, Mato Grosso do Sul só fica atrás de Mato Grosso (4.781) e Rondônia (1.611). No acumulado do 2019 já são 6.301 queimadas detectadas pelo Inpe no Estado. O número já supera a quantidade de focos acumulados em seis dos últimos dez anos (2.380 em 2018; 5.737 em 2017; 4.617 em 2015; 2.214 em 2014; 3.615 em 2013; 3.731 em 2011).

Corumbá, só na terça-feira (10), teve mais de 250 focos de calor.

 

Nos siga no Google Notícias