ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 17º

Meio Ambiente

Em Drive Thru Ecológico, lixo de casa vale até almoço em restaurante

Por Viviane Oliveira | 15/06/2014 08:15
O espaço fica na avenida Ernesto Geisel, no Parque Linear do Segredo. (Foto: Cleber Gellio)
O espaço fica na avenida Ernesto Geisel, no Parque Linear do Segredo. (Foto: Cleber Gellio)
Marcos, um dos idealizadores do projeto Drive Thru Ecológico. (Foto: Cleber Gellio)
Marcos, um dos idealizadores do projeto Drive Thru Ecológico. (Foto: Cleber Gellio)

No Drive Thru Ecológico Ecoplantar, que fica na região Norte da avenida Ernesto Geisel, no Parque Linear do Segredo, em Campo Grande, o lixo acumulado em casa vale almoço em restaurante, sobá, mudas de plantas, manicure e até corrida de táxi. Para ganhar os brindes, a pessoa precisa acumular pontos levando qualquer tipo de material reciclável ao local, que virou ponto de coleta seletiva. Cada ida e qualquer quantidade por semana significa 100 pontos.

Tudo começou há 6 anos, quando um dos proprietários da Ecoplantar Viveiro, Marcos Kirst e a esposa, Marina Solon começaram a campanha para substituir as sacolas plásticas, onde as mudas eram plantadas, por garrafas pets doadas. Depois de um tempo o casal quis ampliar o projeto criando um espaço para educação ambiental.

Há pouco mais de 1 ano e meio, foi criado o Drive Thru Ecológico, em uma área cedida pela Prefeitura. O espaço chega a abrigar por semana cerca de 1 tonelada de material reciclável, que depois acaba sendo doado para cooperativas na cidade. No local, também há lixeiras feitas de tubo de ar condicionado.

Sem ajuda financeira do município e com vontade que o projeto prosperasse, Marcos foi atrás de patrocínios para incentivar as pessoas a descartarem corretamente o material reciclável que junta em casa. “Fomos de porta em porta em busca de apoio de empresários para valorizar, com brindes, a pessoa que participa e contribui com o meio ambiente”, conta Marcos.

Algumas mudas enfeitam o local, que recebe por semana cerca de 1 tonelada de lixo. (Foto: Cleber Gellio)
Algumas mudas enfeitam o local, que recebe por semana cerca de 1 tonelada de lixo. (Foto: Cleber Gellio)
A pessoa mesmo leva o lixo que junto em casa e deixa no local. (Foto: Cleber Gellio)
A pessoa mesmo leva o lixo que junto em casa e deixa no local. (Foto: Cleber Gellio)

O negócio deu certo e hoje são cerca de 500 residências cadastradas. “O nosso objetivo aqui é fazer com que a população traga justamente o lixo de casa, tudo o que não pode ser descartado no meio ambiente”, explica Marcos. Segundo ele, a ideia é aumentar o volume de materiais que chega nas cooperativas, assim, diminuir os catadores de rua.

Para participar, a pessoa precisa fazer o cadastro no site http://ecoplantar.eco.br/ecosistema/. Qualquer quantidade de material reciclável vale 100 pontos na conta. Pode levar no Drive Thru Ecológico material como plásticos, metais, papel, papelão, vidros, madeira, eletrodomésticos, eletrônicos, móveis, pilhas, lâmpadas, óleo de cozinha. No total, são oferecidos 36 produtos e serviços. Cada um deles tem uma pontuação que precisa atingir. Para mais informações os telefones são 9308-9593 / 9142-1209 / 9655-3147.

Ainda não deu certo - Em junho de 2011, a Prefeitura lançou o programa “Reciclar é Viver”, projeto de coleta seletiva do lixo produzido no município. Os moradores dos bairros, que não haviam sido contemplados pelo sistema, tinham a opção de encaminhar os recicláveis a dois Ecopontos e Lev’s, instalados em vários locais, mas o projeto não vingou e na cidade são poucos os pontos de coleta.

Na Capital, existe pelo menos seis cooperativas que trabalham na área, somando centenas de cooperados. No entanto, a demanda de trabalho não é suficiente para manter todos ativos, que recorrem ao lixão da cidade, no bairro Dom Antônio Barbosa, região Sul da cidade. “O trabalho no lixão é degradante e desumano. Com o projeto, queremos conscientizar a população para preservação do meio ambiente e ao mesmo tempo deixar de gerar futuros catadores”, destaca Marina.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário