ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, TERÇA  21    CAMPO GRANDE 22º

Meio Ambiente

Início do inverno deve ser mais quente e seco em MS

Previsão também indica neutralidade do El Niño no período

Por Cassia Modena | 20/04/2024 09:25
Pessoas caminham sem casaco pela Praça Ary Coelho, na Capital, após passagem da primeira frente fria do ano (Foto: Paulo Francis)
Pessoas caminham sem casaco pela Praça Ary Coelho, na Capital, após passagem da primeira frente fria do ano (Foto: Paulo Francis)

O fim do outono (maio e junho) e o início do inverno (junho e julho) devem ser menos chuvosos e mais quentes em comparação à média histórica vista no mesmo período em Mato Grosso do Sul. A transição entre as estações promete ser diferente este ano.

É o que indica a previsão para o trimestre maio, junho e julho do Cemtec (Centro Estadual de Monitoramento do Tempo e do Clima) e do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia).

Grande parte de Mato Grosso do Sul e também o norte de Minas Gerais, o centro da Bahia, o sul de Tocantins, a divisa de Mato Grosso e Goiás, e o oeste de São Paulo devem ser as áreas mais afetadas pela precipitação abaixo da média e seca.

As temperaturas mais elevadas do que o normal são esperadas em todo o país, segundo o Inmet, em especial nas regiões Norte e Nordeste. Em Mato Grosso do Sul, as mais altas registradas podem chegar aos 33ºC e possivelmente aos 35ºC, conforme mostram os mapas analisados pelo meteorologista do Inmet, Olivio Bahia.

De forma geral, as temperaturas devem ficar de 0,5ºC a 1ºC mais elevadas em comparação à média histórica, segundo o meteorologista. Quanto às chuvas, abril já demonstra uma redução na precipitação. "Tendem a ficar mais concentradas e mal distribuídas daqui para frente, como é esperado para o período", diz.

Seco - Por causa das mudanças atmosféricas no outono e inverno, as chuvas começam a ficar mais escassas e a poluição suspensa, o que provoca a névoa seca e faz cair drasticamente a umidade relativa do ar, continua o meteorologista. Os valores podem atingir até 20%, o que traz risco à saúde e requer cuidados.

Brigadista combate incêndio no Pantanal em MS (Foto: Divulgação/SOS Pantanal)
Brigadista combate incêndio no Pantanal em MS (Foto: Divulgação/SOS Pantanal)

Ele também alerta para a radiação solar e a possibilidade de aumento de incêndios no período. "Temos menos nebulosidade no período, então, como recomendam os médicos, é importante o uso do protetor solar, principalmente para quem trabalha no campo. Quanto aos incêndios, é uma tendência, só vai haver se não houver consciência e cuidado", finaliza.

Decreto estadual assinado em 10 de abril, institui estado de emergência ambiental por 180 dias em Mato Grosso do Sul. A medida responde às condições climáticas que favorecem a propagação de focos de incêndios florestais.

El Niño - Os efeitos do fenômeno climático, que provoca o aquecimento das águas do Oceano Pacífico, poderá ficar neutralizado no mesmo trimestre. Há 76% de chances de isso acontecer, segundo o Cemtec.

No segundo semestre do ano, há probabilidade da ocorrência de La Niña nos três meses que, ao contrário do El Niño, causa o resfriamento das águas do oceano.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.




Nos siga no Google Notícias