ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUINTA  16    CAMPO GRANDE 27º

Meio Ambiente

Na contramão do País, desmatamento da Mata Atlântica avança em MS

Segundo monitoramento, Estado perdeu 140 hectares da vegetação original entre 2017 e 2018

Por Jones Mário | 27/05/2019 13:08
Relatório revelou que desmatamento das áreas de Mata Atlântica no Estado, como na Serra da Bodoquena, cresceu 21%. (Foto: Divulgação/Prefeitura de Bonito)
Relatório revelou que desmatamento das áreas de Mata Atlântica no Estado, como na Serra da Bodoquena, cresceu 21%. (Foto: Divulgação/Prefeitura de Bonito)

Mato Grosso do Sul perdeu 140 hectares de áreas de Mata Atlântica entre 2017 e 2018, segundo monitoramento da Fundação SOS Mata Atlântica e do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). O número mostra avanço de 21% no desmatamento do bioma. Entre 2016 e 2017, foram eliminados 116 hectares no Estado.

De acordo com monitoramento, Mato Grosso do Sul hoje tem 712.374 hectares de Mata Atlântica em seu território, que correspondem a 11,2% da área original. O Estado foi o oitavo, de 17, na lista dos que mais desmataram entre 2017 e 2018. Os “campeões” em eliminação da vegetação nativa foram Minas Gerais (3.379 ha), Paraná (2.049 ha) e Piauí (2.100 ha).

De acordo com o diretor de Políticas Públicas da Fundação SOS Mata Atlântica, Mario Mantovani, o desmatamento em Mato Grosso do Sul se concentra na região da Serra da Bodoquena, que contempla municípios como Bonito e Jardim.

“É terrível. A Bodoquena carrega o lençol freático que sai em Bonito. O Código Florestal vem dando uma sensação de impunidade e fica difícil fazer um trabalho”, relata.

Mantovani explica ainda que a abertura de áreas para a agropecuária é o principal catalisador do desmate no Estado.

“Soja nas cabeceiras, drenagem das várzeas. Há uma cultura de degradação para abrir áreas. Hoje, O Estado poderia estar usando essas áreas para adequação, que a gente chama de CRA (Cota de Reserva Ambiental), mas não estamos conseguindo fazer isso em Mato Grosso do Sul”, completa.

O desmatamento da Mata Atlântica no Estado vai na contramão dos resultados nacionais. Conforme monitoramento, a destruição recuou 9,3% em relação ao período anterior (2016-2017), que, por sua vez, já tinha sido o menor desmatamento registrado pela série histórica. O relatório aponta que no último ano foram destruídos 11.399 hectares, ou 113 km², de áreas de Mata Atlântica acima de 3 hectares nos 17 estados do bioma. No ano anterior, o desmatamento tinha sido de 12.562 hectares (125 km²).

Em outubro do ano passado, o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) e de mais 14 estados iniciaram ação conjunta para identificar desmatamentos em áreas de Mata Atlântica, aplicar punições aos responsáveis e exigir a reparação de danos na ordem de R$ 5 milhões. Foram levantados 37 polígonos no Estado com cerca de 900 hectares de área suprimida na região em que se aplica a lei que protege o bioma.

De acordo com o Atlas da Mata Atlântica, restam 16,2 milhões de hectares de florestas nativas mais preservadas acima de 3 hectares, o equivalente a 12,4% da área original e a 15% do total do território brasileiro. Desses remanescentes, 80% estão em áreas privadas.

A reportagem procurou a Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), que não retornou até a publicação da matéria.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário