ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 10º

Meio Ambiente

Seca transforma baía do Pantanal em lamaçal e dizima peixes

Imagens foram gravadas no Porto Amolar, na região de Corumbá; e biólogo diz que fenômeno é sinal de "alerta"

Por Mylena Fraiha | 25/06/2024 11:09

Em meio à seca e aos incêndios que devastam o Pantanal de Mato Grosso do Sul, uma baía inundável próxima ao rio Paraguai, principal bacia do bioma, transformou-se em um imenso lamaçal, o que resultou na morte agonizante de centenas de peixes. A situação alarmante foi registrada pela pesquisadora da ONG Ecoa, Edilaine Arruda, na última quinta-feira (20).

As imagens foram gravadas na área inundável do Porto Amolar, na região de Corumbá, a 428 km da Capital, que secou completamente. No vídeo, é possível ver centenas de peixes lutando pela vida em meio ao lamaçal.

O diretor e biólogo da Ecoa, André Siqueira, explicou que a secagem de lagos é um fenômeno relativamente comum no Pantanal, mas o que preocupa é a precocidade com que está ocorrendo este ano. "O que não é normal é ela acontecer de uma maneira tão precoce, ou seja, tão cedo", afirmou.

Segundo André, a pesquisadora que registrou as imagens é nascida e criada na Serra do Amolar, e destaca que esse comportamento geralmente só é visto a partir de agosto, pois junho e julho marcam o início do período de vazante no Pantanal.

"A Serra do Amolar atua como uma barreira geográfica que retém a água, tornando-se uma das regiões do Pantanal, assim como Taiamã, em Cáceres (MT), mais alagadas permanentemente. A secagem dessas baías de forma tão precoce chama a atenção", explicou Siqueira.

Além do impacto ambiental, a seca precoce das baías traz sérias implicações econômicas e sociais. "Do ponto de vista das atividades econômicas, é um importante alerta. Naquela região, concentram-se centenas de famílias de pescadores profissionais e artesanais, além das famílias ribeirinhas que dependem da pesca e da coleta de isca para sua subsistência. Eles precisam dessas lagoas, dessas baías, para trabalharem", afirmou André.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias