A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017

19/04/2016 13:09

Aprovação do impeachment toma conta dos debates na Assembleia

Câmara Federal aprovou o processo, que segue para o Senado

Leonardo Rocha
Deputados repercutem aprovação do impeachment de Dilma na Câmara Federal (Foto: Assessoria/ALMS)Deputados repercutem aprovação do impeachment de Dilma na Câmara Federal (Foto: Assessoria/ALMS)

A votação do processo de impeachment no último domingo (17), foi o principal tema de debates na sessão desta terça-feira (19), na Assembleia Legislativa. Os deputados comentaram os motivos que levaram esta decisão na Câmara Federal, que segundo eles, darão agilidade ao processo no Senado. A bancada do PT voltou a defender que não houve crime praticado pela presidente.

O deputado Rinaldo Modesto (PSDB) ponderou que a votação de domingo mostrou justamente qual é o sentimento da maioria da população. “Muitos estavam esperando este momento. O próprio mercado financeiro se mostra favorável pela saída da presidente, por isso a tendência é o Senado afastá-la do cargo, já que a mobilização da população vai continuar”.

Sobre o futuro depois da saída de Dilma (Rousseff), o tucano ressaltou que de acordo com a legislação, assume o vice-presidente, Michel Temer (PMDB). “Só se houver comprovação de crimes ou participação dele nesta história é que vão se pensar em outras alternativas, como novas eleições”.

O deputado Paulo Corrêa (PR) avaliou que esta falta de apoio político mostra que a presidente não tem mais condições de governador o País. “Ela cometeu sim crime de responsabilidade, acredito que o Senado entendeu o recado das ruas e da Câmara (Deputados) para que o processo tenha agilidade, não acredito que a base consiga reverter o impeachment”.

Para Eduardo Rocha (PMDB) os 367 votos a favor do impeachment “legitima” todo o processo e que o Senado deve seguir o mesmo caminho. “Sabemos que ainda é cedo para avaliar o resultado no Senado, porém a vitória esmagadora com 72% dos votos dos deputados, mostra este cenário”.

O líder do PMDB na Assembleia, também destacou que caso o vice-presidente, Michel Temer (PMDB), assuma o comando do País, acredita que entre suas primeiras ações vai ser promover um ajuste fiscal, assim como reduzir pelo menos a metade do número de ministérios. “Será um governo de coalizão, com a participação da maioria dos partidos”.

Defesa – A bancada do PT fez questão de fazer a defesa da presidente Dilma (Rousseff), voltando a dizer que o processo de impeachment “sem crime, se trata de um golpe”. Eles ainda disseram que a principal acusação sobre “pedaladas fiscais” são se configura crime de responsabilidade, tanto que é feita por prefeitos e governadores de muitos estados.

“Se trata de um processo ilegítimo, por isso é um golpe para nós e muitos juristas que têm a plena convicção que não existe comprovação de crime, a maioria dos governos e prefeitos também pedalaram. Vou fazer um levantamento apenas aqui no Estado, para mostrar os casos, foi um julgamento político”, disse Amarildo Cruz (PT).




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions