A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

17/03/2015 18:40

Auditoria aponta desvio de 700 milhões durante 10 anos na Enersul

Deputado pretende propor CPI e diz que irá acionar o MPF e a Polícia Federal

Michel Faustino
Deputado afirma que irá encaminhar pedido para instaurar uma CPI. (Foto: Divulgação)Deputado afirma que irá encaminhar pedido para instaurar uma CPI. (Foto: Divulgação)

Auditória realizada pela empresa PwC (PricewaterhouseCoopers) apontou um “desvio” de cerca de R$ 700 milhões na Enersul, durante o período de 2002 a 2012. O documento aponta ainda a existência de uma folha de pagamento confidencial que beneficiava diretamente 35 pessoas.

O pedido para realização da auditória foi protocolado em 29 de agosto de 2013, a pedido do deputado estadual Marquinhos Trad (PMDB) e do então deputado Fábio Trad (PMDB). Segundo Marquinhos, eles procuraram a entidade após insistentes denúncias de irregularidades junto a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Conforme o parlamentar, o levantamento apontou que dezenas de contratos superfaturados foram firmados com empresas dos próprios donos do grupo Rede, responsável por administrar a Enersul, durante o período de 2002 a 2012.

Segundo ele, somente neste período, as empresas Elucid Solutions S/A e RDG-RQM Participações, de propriedade de Jorge Queiroz e de sua esposa, Regina Beatriz, abocanharam 186.8 milhões em contratos com a empresa.

“Eles faziam isso de forma irregular, se fazendo valer do poder para obterem vantagens pessoais com suas empresas. Além disso, nenhuma dessas transações eram divulgadas, tudo foi feito no escuro”, ponderou.

De acordo com o deputado, além desta, se somam outras irregularidades, entre elas a existência de uma folha de pagamento confidencial que beneficiava 35 pessoas físicas e jurídicas, que não tiveram os nomes revelados. O relatório apontou ainda que cerca de 185 milhões foram sacados da conta da Enersul.

Fora isso, Marquinhos afirma que recebeu denúncia da contratação de pessoas sem competência técnica, indicadas por políticos, para atuar na Enersul. “Juntas essas pessoas recebiam quase R$ 20 mil por mês”, disse Marquinhos.

Conforme o deputado, todas as irregularidades encontradas devem compor um pedido de criação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) e serão encaminhadas para o MPF (Ministério Público Federal) e Polícia Federal.
“Não podemos se omitir em relação a isso. Era uma empresa que recebia dinheiro do povo. E o povo está sendo lesado com todas essas irregularidades. Sem contar que isso está impactando nos reajuste que passam dos 40%”, concluiu.

Histórico - Em 2012, a Aneel determinou intervenção no grupo Rede. A medida durou 1 ano e 8 meses até que a Energisa assumisse o controle de todas as 8 unidades do grupo, incluindo a Enersul. A transferência do controle e aprovação de um plano de recuperação das concessionárias eram condições para o encerramento da intervenção pela agência reguladora. A compra do grupo aconteceu em abril de 2014.

O Campo Grande News tentou contatar algum representante do grupo Rede, responsável por administrar a Enersul na época das denúncias, mas até o fechamento desta matéria não obteve retorno.

Governo do Estado investe R$ 9,2 milhões em infraestrutura em Caracol
Caracol vai receber mais de R$ 2,8 milhões em obras a serem executadas pelo Governo do Estado em parceria com a prefeitura e deputados federais e est...
Assembleia vota Orçamento de R$ 14,4 bilhões de 2018 na terça-feira
O Orçamento de R$ 14,4 bilhões do Governo de Mato Grosso do Sul para 2018 passará pela votação em segunda discussão na terça-feira (19) na Assembleia...


NESTE CASO, PREJUÍZO A EMPRESA JAMAIS FECHA O BALANÇO, QUEM PAGARÁ OU ESTÁ PAGANDO ESSE DESFALQUE? O CLIENTE CONSUMIDOR, É CLARO. COM ESSAS CONTAS DE ENERGIA EXORBITANTES, COM BANDEIRA VERMELHA, ESTAMOS ARCANDO MAIS UMA VEZ COM A CORRUPÇÃO.
 
LUCIANO MARQUES em 18/03/2015 10:08:55
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions