A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

20/08/2014 07:42

Candidatos iniciam programa de rádio com homenagens e histórias de vida

Leonardo Rocha
Delcídio utilizou seu programa para contar sua história de vida e início da sua carreira profissional (Foto: Arquivo)Delcídio utilizou seu programa para contar sua história de vida e início da sua carreira profissional (Foto: Arquivo)
Nelsinho fez homenagem a Eduardo Campos em seu primeiro programa de TV (Foto: Arquivo)Nelsinho fez homenagem a Eduardo Campos em seu primeiro programa de TV (Foto: Arquivo)

Os candidatos ao governo estadual começaram hoje (20), durante a manhã, o programa eleitoral no rádio contando suas histórias de vida, fazendo homenagem ao ex-governador Eduardo Campos e alguns já apresentando propostas e definindo prioridades para esta campanha.

Evander Vendramini (PP) iniciou a propaganda eleitoral com uma conversa com o ex-prefeito e candidato ao Senado, Alcides Bernal (PP), destacando a gestão durante um ano e dois meses a frente da prefeitura de Campo Grande. Ele ressaltou que vai seguir estes projetos e realizar uma aliança e compromisso com as pessoas.

Delcídio do Amaral (PT) preferiu utilizar seu primeiro programa para contar sua história de vida, com depoimentos de sua mãe e seu irmão mais novo. Foi ressaltado sua infância em Corumbá, depois sua ida para São Paulo, onde estudou em escola de jesuítas.

O programa ressaltou que após o candidato petista ser formado em engenharia, resolveu "ganhar o mundo" e começar seus projetos profissionais em grandes empresas do país. Delcídio fez questão de dizer que sempre acreditou que sua formação poderia levá-lo a grandes projetos.

Candidato lembrou programa que ouviu moradores de 79 cidades de MS (Foto: Marcos Ermínio)Candidato lembrou programa que ouviu moradores de 79 cidades de MS (Foto: Marcos Ermínio)

Já Nelsinho Trad (PMDB) dedicou seu programa em homenagem a Eduardo Campos, lembrando que o ex-governador foi um dos que mais acreditou em sua candidatura no Estado. "Valia a pena seguir Eduardo (Campos) por sua carreira política e como ser humano", afirmou.

O peemedebista lembrou de quando Eduardo esteve em Campo Grande e mostrou suas propostas, se mostrando "um brasileiro especial". Ele ainda destacou que na última entrevista, Campos disse que "não iria desistir do Brasil", continuando a luta por uma sociedade mais justa.

O candidato Reinaldo Azambuja (PSDB) aproveitou para ressaltar o programa "Pensando MS", onde ouviu a população dos 79 municípios do Estado, seguindo modelo que já havia feito em Campo Grande. "Ouvimos 120 mil pessoas, para se ter o diagnóstico correto, pois quem ouve mais, erra menos".

Azambuja afirmou que as prioridades serão saúde, educação, segurança e crescimento econômico. Ele adiantou que na saúde precisa-se de mais médicos, estrutura e diminuir a vinda de pacientes para Capital.

Também quer valorização dos profissionais de educação e implantação de escolas integrais. Na área de segurança pediu melhor remuneração dos policiais civis e militares e cobrança à União sobre região da fronteira. Ele lembrou que é preciso crescimento em todas regiões do Estado, com lei de incentivos mais moderna.

Já o Professor Monge (PSTU) destacou a educação como prioridade, ressaltando que deve ser destinado 30% do orçamento do Estado para este setor. Ele fez o programa com a participação de seu vice, Suel Ferranti.

Sidney Melo (PSOL) fechou esta primeira parte apontando que os últimos governantes do Estado não fizeram grandes mudanças, "apenas se mantiveram no poder" e que é preciso renovação e mudança na política.

Senadores - Os candidatos ao Senado também seguiram o mesmo caminho, com apresentação de algumas propostas e contando suas respectivas histórias de vida. Lucien Rezende (PSOL) ponderou que os "eleitores estão sem memória" e que os parlamentares gostam desta situação, pois não são cobrados.

Valdemir do PSTU lembrou dos gastos exorbitantes do Senado Federal e pediu para população ter mais conhecimento sobre para que serve este poder legislativo. Ricardo Ayache (PT) preferiu contar sua história de vida, lembrando de sua origem em Aquidauana, advindo de família de comerciantes, para depois contar sua formação em medicina e como gestor da Cassems.

Simone Tebet (PMDB) fez um breve relato de sua carreira como advogada, professora e prefeita de Três Lagoas, para depois apresentar suas duas prioridades de campanha: honrar a memória do seu pai, o ex-senador Ramez Tebet, e se dedicar as mulheres de Mato Grosso do Sul.

Seguindo o mesmo discurso de ontem (19), Alcides Bernal voltou a citar a sua cassação, quando de acordo com ele, "roubaram o mandato do povo, de forma traiçoeira". Ele ainda citou sua atuação contra epidemia de dengue na Capital e ressaltou que a cidade estava um caos quando assumiu.

Antônio João preferiu destacar que irá se colocar como "empregado" da população, e espera ser cobrado por esta, quando assumir a cadeira no Senado. Ele ainda criticou os gastos do governo federal com a Copa do Mundo e Olimpíadas de 2016.

Governo do Estado investe R$ 9,2 milhões em infraestrutura em Caracol
Caracol vai receber mais de R$ 2,8 milhões em obras a serem executadas pelo Governo do Estado em parceria com a prefeitura e deputados federais e est...
Assembleia vota Orçamento de R$ 14,4 bilhões de 2018 na terça-feira
O Orçamento de R$ 14,4 bilhões do Governo de Mato Grosso do Sul para 2018 passará pela votação em segunda discussão na terça-feira (19) na Assembleia...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions