A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Agosto de 2017

11/04/2016 10:21

Deputado do PMDB se diz confiante em afastamento; petista acredita que é golpe

Nesta segunda-feira (11), os parlamentares analisam parecer de processo

Mayara Bueno
Deputado Carlos Marum (PMDB); ele é suplente na comissão do impeachment. (Foto: Arquivo)Deputado Carlos Marum (PMDB); ele é suplente na comissão do impeachment. (Foto: Arquivo)
Ex-governador do Estado e deputado federal Zeca do PT. (Foto: Arquivo)Ex-governador do Estado e deputado federal Zeca do PT. (Foto: Arquivo)

Em meio ao processo de votação do parecer sobre o impeachment da presidente da República, Dilma Rousseff (PT), deputados federais de Mato Grosso do Sul mantêm os mesmos posicionamentos anunciados no início do processo. Nesta segunda-feira (11), a comissão formada na Câmara dos Deputados para analisar a situação da petista discutem o parecer do relator Jovair Arantes (PTB-GO) favorável ao afastamento dela.

Contrário à destituição de Dilma e da base governista, o deputado federal José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT, reitera a opinião de que se trata de um golpe e que dificilmente o afastamento passará pelo crivo dos demais deputados, quando o relatório chegar ao plenário. “A sociedade percebe que é um golpe. Não há argumentação jurídica e ela não é nem citada na Operação Lava Jato”.

Começou hoje na Câmara dos Deputados a fase em que os líderes dos partidos terão tempo para discursar, depois da fala do relator e do advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, responsável pela defesa de Dilma. Já a votação acontecerá a partir das 17 horas.

Se mantendo a favor do impeachment, o deputado federal Carlos Marum (PMDB), suplente na comissão do processo na Câmara, afirmou estar confiante que o afastamento acontecerá. Já sobre a votação em plenário, o deputado afirmou que deve começar na sexta-feira (15) e finalizado no domingo (17).

Desde o início do processo, com a indicação dos membros e o prazo de defesa de Dilma, a bancada de MS se dividiu em seus posicionamentos. Boa parte se diz favorável e a base é contra. Dagoberto Nogueira (PDT) é o único que ainda não definiu, até então, seu posicionamento, pois espera opinião do diretório nacional da legenda.

Após a votação do relatório, hoje, o resultado deverá ser lido na Câmara dos Deputados na terça-feira (12) e publicado no Diário Oficial da casa de leis na quarta-feira (13). A partir disso começa a contar o prazo de 48 horas para o início da votação no plenário.

A reportagem do Campo Grande News tentou contato com outros seis deputados federais que representam Mato Grosso do Sul, mas eles não atenderam as ligações.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions