A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

04/12/2013 08:01

Deputados aprovam leilão, entidades entrarão na justiça contra evento

Leonardo Rocha
Zé Teixeira diz que leilão é uma forma do produtor proteger sua propriedade (Foto: Divulgação)Zé Teixeira diz que leilão é uma forma do produtor proteger sua propriedade (Foto: Divulgação)
Roberto Botareli diz que entidades irão entrar com ação no MPF contra leilão (Foto: Arquivo)Roberto Botareli diz que entidades irão entrar com ação no MPF contra leilão (Foto: Arquivo)

Os deputados que aprovam a realização do eilão da resistência destacam que o evento se trata de uma união dos produtores para garantir segurança de suas terras. Já os movimentos sociais prometem entrar com representação no MPF (Ministério Público Federal) pedindo a anulação do leilão.

O deputado Zé Teixeira (DEM), tradicional defensor dos ruralisas, ressaltou que este ato será de organização de um segmento que não vê ações efetivas da justiça e nem da União.

“Depois do leilão, iremos divulgar a população as áreas produtivas que o Estado vem perdendo com estas invasões, está gerando prejuízo em função de desrespeito com as leis do país”, destacou ele.

Mara Caseiro (PT do B), uma das principais defensoras do leilão realizado pela Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), afirmou que esta ação visa respeitar o direito a propriedade.

“Estamos esperando uma solução da União, vamos marcar uma audiência com a presidente Dilma (Rousseff) para termos uma posição final, até lá os produtores precisam defender o que é deles”, apontou ela.

Ação – O presidente da Fetems (Federação dos Profissionais da Educação de Mato Grosso do Sul), Roberto Botareli, afirmou que as entidades sociais irão entrar com uma representação no MPF (Ministério Público Federal) pedindo o cancelamento do encontro.

“Este leilão é uma afronta a paz e a sociedade de direito, eles vão tentar se armar para garantir seus direitos, isto é inadmissível, os índios estão na parte mais fraca. Esta ação dos produtores poderá gerar tragédias, já que irão resolver os problemas com armas”, destacou ele.

Botareli já teve uma discussão “alterada” com a deputada Mara Caseiro, quando este afirmou que os produtores estavam formando “milícias” para atacar os índios.

A deputada retrucou a acusação, dizendo que os fazendeiros nunca mataram um índio e que eles não podem ser tratados como bandidos.



Esse Roberto Botareli ta de brincadeira, os indios invadem as fazendas, queiam sedes, roboam o gado, e ele vem dizer que é inadimissivel os produtores se defenderem, inadimissivel é a inercia dos poderes constituidos que não da uma solução para o fato, estas propriedades são particulares e devidamente documentadas, se querem terras para os indios, adquiram por meios legais, paguem o valor de mercado e pronto.
 
JUVENIL MARQUES DO VALE em 04/12/2013 15:02:37
SIM........... VAMOS PROTEGER NOSSAS PROPRIEDADES SIM, E SE FOR PRECISO, NOS ARMAREMOS SIM.

BANDIDO É QUEM INVADE PROPRIEDADE DOS OUTROS, ATEIAM FOGO NAS RESIDENCIAS E PROMOVEM O CAOS.

E PODEM VIR ONGS, CIMI ETC ETC ETC..... PORQUE VAMOS MOSTRAR QUE AQUI NO MS A LEI AINDA PREVALECE. AQUI NO MS NÃO TEM TALVEZ!!!!!
 
EDUARDO CERZOSIMO em 04/12/2013 14:34:18
Quantos fazendeiros foram mortos nestes conflitos nos últimos anos ? E quantos índios ?

As terras reivindicadas não chegam a 0,5% do território que dizem "produzir" algum alimento. Aliás, grande parte desse alimento é exportado, não fica aqui no Brasil (carne e soja) e o "resto" que fica, devido a qualidade inferior não ser aceita no mercado internacional, nos vendem a preços exorbitantes, basta ir ao mercado e verificar.
Direitos todos temos, índios e fazendeiros, mas, se o governo que criou todo esse problema não resolve nada, que os fazendeiros, incluídos alguns políticos (contraditório não ? Políticos fazendeiros reclamando do governo que integram ?) façam ações contra este governo.

Depois de encontrarem as respostas, analisem quem precisa defender-se de quem....
 
Carlos Ferreira em 04/12/2013 14:12:27
O que o presidente da FETEMS tem a ver com a questão agrária?
Por que ele não se preocupa com os míseros salário ganhos pelos professores,
essa classe tão desprestigiada pelos governantes e tão bravamente mantida por esses verdadeiros heróis?
É um verdadeiro palhaço, tentando aparecer, se metendo em assunto que não é da sua alçada. Vai achar o que fazer Botareli ! deixa de ser hipócrita!
 
arnobio luiz em 04/12/2013 14:08:20
A finalidade do leilao e angariar recursos para defesa das propriedades, porque muitos dos que tiveram suas terras invadidas, nao possuem outra fonte de renda, estao a mercê da sorte sem ter como sustentar as proprias familias, muito menos sem poder custear as despesas com advogados. Entao foi como a sociedade de classe decidiu ajudar.
 
JEAN CARLO em 04/12/2013 13:29:30
Gente, os Índios não são mais índios, são sim, grupos extremamente organizados hierarquicamente, com metas pré estabelecidas.
Se eles são indios, usem seus terrenos para plantarem mandiocas, milhos, criar porco, e um gadinho e vendam isso, ou melhor consumam isso, pois o que muda pra um índio que toma pinga o dia todo ter uma área de alguns alqueires se nao serão em nada produtivas, ou ainda serão arrendadas a outros fazendeiros?? ponham a mão na consciência, essa parada dos indios deveria ser revista com muito carinho por pessoas sérias e não pela "Funai". Daqui a pouco indios estarão posando de herói igual os caras do mensalão.
 
Marcio Barbosa em 04/12/2013 13:17:06
Quer dizer que os produtores rurais não tem mais nem direito de se defender dos ataques dos índios?
Porque que os políticos não arrumam logo uma solução boa para os dois lados?
 
Luana Perez em 04/12/2013 11:05:34
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions