ACOMPANHE-NOS    
JULHO, TERÇA  07    CAMPO GRANDE 20º

Política

Deputados querem proibir corte de água por mais 90 dias em MS

Medida que proibia o corte de água teve seu prazo vencido neste final de junho

Por Leonardo Rocha | 30/06/2020 12:35
Deputados durante sessão virtual na Assembleia (Foto: Luciana Nassar - ALMS)
Deputados durante sessão virtual na Assembleia (Foto: Luciana Nassar - ALMS)

Os deputados apresentaram requerimentos pedindo a prorrogação do decreto, que proíbe o corte de água, durante a pandemia. Esta medida perdeu validade no final de junho, por isso os parlamentares querem que o prazo se estenda por mais 90 dias.

A questão foi colocada em pauta por Eduardo Rocha (MDB), durante a sessão na Assembleia. Ele disse que moradores de Três Lagoas disseram que a Sanesul (Empresa de Saneamento de MS) já estava fazendo o serviço de corte do serviço, pelo não pagamento da fatura.

“Quero pedir apoio dos colegas para pedirmos que esta decreto se estenda por mais 90 dias, já que é neste momento que estamos passando pelo pior momento da pandemia no Estado, não podemos deixar os moradores sem água, por falta de pagamento”, disse o deputado.

Ele teve apoio de José Carlos Barbosa (DEM) que disse inclusive já ter mandado um requerimento pedindo que a Sanesul prorrogue o decreto. “Temos que impedir que haja corte de água neste momento”, afirmou o democrata.

Renato Câmara (MDB) lembrou que o serviço de água neste momento é uma “medida de prevenção” contra o coronavírus. “Precisa lavar as mãos de forma constante, assim como a residência para se prevenir da doença, por isso entendo que precisa prorrogar por mais 90 dias”.

Decreto – O decreto eu proíbe corte do serviço de água em 68 municípios do Estado, que o serviço é feito pela Sanesul, foi anunciado no dia 15 de março pelo governo estadual, com duração de 90 dias. Este prazo já venceu e para continuar com estas regras precisa de um novo decreto.

Entramos em contato com a Sanesul, que por meio da assessoria, informou que ainda não recebeu os pedidos dos deputados, mas que até o momento não existe previsão de sair novo decreto sobre o tema e que a empresa está adotando a política de parcelamento das contas em aberto.