ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SÁBADO  02    CAMPO GRANDE 33º

Política

Deputados votam projeto do orçamento nesta semana na Assembleia

Leonardo Rocha | 19/12/2016 09:02
Deputados deixaram o projeto do orçamento para  última semana, antes do recesso (Foto: Assessoria/ALMS)
Deputados deixaram o projeto do orçamento para última semana, antes do recesso (Foto: Assessoria/ALMS)

Os deputados estaduais irão votar, nesta semana, antes do recesso parlamentar, o projeto do orçamento de 2017, que prevê uma receita de R$ 13,99 bilhões para Mato Grosso do Sul. A intenção é aprovar a matéria com 419 emendas, nas sessões de terça e quarta-feira, na Assembleia Legislativa.

Os parlamentares não fizeram uma discussão por temas, como foi sugerido no legislativo, preferindo seguir o modelo atual, de analisar todo o projeto do orçamento e sugerir emendas voltadas a áreas essenciais, como saúde, educação e infraestrutura, assim como propor mudanças no texto original.

O secretário estadual de Governo, Eduardo Riedel, foi até o legislativo, conversar e esclarecer as dúvidas dos parlamentares sobre o projeto, ressaltando que a previsão foi cautelosa, em função da situação econômica de todo País, que não tem previsão de retomada de crescimento a curto prazo. Ele ainda citou queda na arrecadação, com aumento de despesas nas contas públicas.

A votação do orçamento iria começar na última quinta-feira (15), mas um impasse em relação aos investimentos em habitação, fizeram com que os deputados adiassem a análise para esta semana. "Foi mais uma cautela, para que o governo esclareça a questão ou faça a adequação devida", explicou o líder do Governo, Rinaldo Modesto (PSDB).

O projeto do orçamento prevê apenas um crescimento de apenas 0,46%, em relação ao ano anterior, não tendo mudança nos repasses do duodécimo aos poderes, que continua 7,30% da receita líquida para o Tribunal de Justiça, 3,90% ao Ministério Público Estadual, 2,20% do Tribunal de Contas Estadual, 1,80% à Defensoria Pública e 2,90% para Assembleia Legislativa.

Nos siga no Google Notícias