A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

18/07/2012 12:39

Puccinelli diz que 10% dos prefeitos são incompetentes com a Saúde

Fabiano Arruda
Governador André Puccinellli concede entrevista no hospital São Julião nesta manhã durante assinatura de Termo de Cooperação Técnica para melhorar a qualidade e desafogar os atendimentos em hospitais de MS. (Foto: Rodrigo Pazinato)Governador André Puccinellli concede entrevista no hospital São Julião nesta manhã durante assinatura de Termo de Cooperação Técnica para melhorar a qualidade e desafogar os atendimentos em hospitais de MS. (Foto: Rodrigo Pazinato)

O governador André Puccinelli (PMDB) afirmou nesta quarta-feira que boa parte do número de atendimentos desnecessários em unidades de Saúde do Estado, bem como a destinação de pacientes para hospitais de Campo Grande, são culpa de prefeitos que definiu como incompetentes.

Pelo menos 10% do total dos prefeitos, segundo Puccinelli, estão nesta situação. “O afluxo de atendimentos sem necessidade é grande. Se todos os prefeitos fossem competentes a qualidade do atendimento seria maior”.

André deu as declarações durante assinatura de Termo de Cooperação Técnica, nesta manhã, entre o governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, e a Sociedade Hospital Samaritano de São Paulo, no hospital São Julião.

Segundo ele, o termo, que trata da execução do projeto “Implantação da Rede de Cuidados Continuados Integrados” para beneficiar unidades hospitalares em Mato Grosso do Sul, vai permitir, na prática, melhorar a qualidade e desafogar os atendimentos.

“Apesar dos reclamos, em Mato Grosso do Sul se prioriza a gestão da saúde com a hierarquização e regionalização. Em 2011 investimos 14,56% da receita corrente líquida em saúde e, se a Emenda 29 estivesse em vigor, seriam mais R$ 120 milhões”, disse, pedindo para a representante do Ministério da Saúde, Ana Paula Silva Cavalcanti, presente no evento, atenda os pleitos do Estado.

Além disso, o chefe do Executivo Estadual aproveitou para mencionar que a rede de saúde em MS sofre com a demanda aumentada por pacientes paraguaios e bolivianos por conta das 17 cidades que fazem fronteira.

O que é - O projeto terá dois anos e meio de duração e envolve adaptações físicas, capacitação de pessoal e conformação dos sistemas de informação e implantação do sistema na rede hospitalar, com a ocupação das enfermarias, acompanhamento e avaliação dos processos e impacto na rede de atenção.

Para a secretária estadual de Saúde, Beatriz Dobashi, o grande diferencial do programa, que também pode ser implantando em outras cidades como Corumbá, Dourados e Três Lagoas, é o atendimento multidisciplinar a pacientes crônicos ou sequelados que costumam ocupar leitos dos hospitais por mais tempo. A medida visa recuperar esses casos de forma mais rápida.

Segundo ela, o Hospital São Julião já desempenha papel importante como retaguarda para encaminhamento de casos vindos do Hospital Regional com 20 leitos. O programa, prossegue a secretária, passará a ser retaguarda também para o Hospital Universitário e Santa Casa.

Para o diretor da junta interventora da Santa Casa, Issam Moussa, a iniciativa é fundamental. Segundo ele, dos 590 leitos do maior hospital público do Estado, cerca de 20% são de pacientes crônicos. E contar com leitos de hospitais de referência nesses casos será fundamental para desafogar o atendimento no hospital, completa.

Governador assina termo de cooperação que vai beneficiar unidades hospitalares no Estado
O governador André Puccinelli assina nesta quarta-feira (18) um Termo de Cooperação Técnica entre o governo do Estado através da Secretaria de Estado...
Governo do Estado investe R$ 9,2 milhões em infraestrutura em Caracol
Caracol vai receber mais de R$ 2,8 milhões em obras a serem executadas pelo Governo do Estado em parceria com a prefeitura e deputados federais e est...


Senhor governador não fale mau dos nossos prefeitos. E o nosso estado esta uma penúria a saúde administrada pela sua excelência.
 
Adilton Nascimento em 24/07/2012 09:13:43
Ele acha que na ´´epoca dele era uma maravilha, era nada, sempre foi um caos, aqui em Campo ainda é um pouco melhor, mas sempre foi assim, infelizmente maior parte do dinheiro que vem para a saúde ou qualquer outro órgão é desviado, isto não tem como negar.
 
francisco carlos em 18/07/2012 02:23:17
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions