A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 25 de Abril de 2018

08/12/2017 16:20

Imbassahy deixa Ministério e Marun assumirá articulação política de Temer

Titular da pasta deixa o cargo às vésperas de convenção do PSDB, que deve deixar a base aliada; deputado de MS já vinha sendo cogitado para o cargo

Humberto Marques
Marun tomará posse em breve como ministro da Secretaria de Governo. (Foto: Divulgação)Marun tomará posse em breve como ministro da Secretaria de Governo. (Foto: Divulgação)

O ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Antônio Imbassahy (PSDB-BA), apresentou nesta sexta-feira (8) seu pedido de demissão ao presidente Michel Temer. A medida foi tomada um dia antes da convenção nacional do PSDB, que pode representar a saída dos tucanos da base governista, e abre caminho para o deputado federal Carlos Marun (PMDB) ser nomeado na pasta –o que deve acontecer até a semana que vem, segundo informaram as agências de notícias.

A demissão foi anunciada pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência. Imbassahy, conforme o UOL, entregou seu pedido de demissão a Temer em São Paulo, onde ambos participaram de eventos públicos nesta manhã. Na carta, afirmou ter sido uma "honra" ter integrado o Governo Temer e atuado na articulação política em um período adverso para o governo.

Nesse período, ressaltou ter atuado em favor das reformas trabalhistas e do ensino médio, e sustentou a necessidade de apoio para aprovação da reforma da previdência.

Após oficializar a exoneração de Imbassahy, Temer emitiu nota agradecendo o apoio do parlamentar tucano e também pela amizade do parceiro político.

Desembarque – A saída de Imbassahy era aguardada desde novembro, quando, com a saída de Bruno Araújo (PSDB-PE) do Ministério das Cidades e sua substituição por Alexandre Baldy (sem partido-GO), uma postagem no Twitter oficial do Palácio do Planalto confirmava também a posse de Marun na Secretaria de Governo. O texto foi apagado em seguida e o erro foi atribuído a um funcionário terceirizado que cuidava da conta –enquanto o Planalto negava a saída do então ministro da Secretaria de Governo.

Imbassahy deixou o Governo Temer seguindo orientação do PSDB. (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)Imbassahy deixou o Governo Temer seguindo orientação do PSDB. (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

O desembarque dos tucanos do Governo Temer, porém, já era aguardado. Em 29 de novembro, o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) já dava o PSDB como fora da base. Naquele momento, a permanência de Imbassahy foi atribuída também a um pedido do senador e ainda presidente nacional tucano, Aécio Neves (MG), que tentava manter o partido na base do Governo Temer.

O governador paulista Geraldo Alckmin deve assumir o comando do PSDB neste sábado. Em um primeiro momento, ele anunciou que o partido deixaria a base.

Cauteloso – Desde que teve o nome ventilado para a Secretaria de Governo, Marun tratou a indicação com cautela –mesmo que integrantes do partido em Brasília já tivessem confirmado ao Campo Grande News que ele seria indicado para o cargo com as bênçãos da bancada na Câmara Federal. Além da fidelidade ao presidente e ao PMDB, pesava em favor de Marun a disposição em não disputar a reeleição para integrar o staff ministerial.

O deputado afirmou, primeiro, que aguardaria a oficialização do convite. Depois, que caberia a Michel Temer avaliar como o parlamentar sul-mato-grossense poderia ser mais útil ao governo (se no Congresso no na Esplanada dos Ministérios).

Procurado pela reportagem, Marun não foi localizado nesta tarde para comentar a nomeação.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions