A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

26/05/2014 14:55

Independente de diretório nacional, PR de MS vai apoiar reeleição de Dilma

Helton Verão
Pose para a foto após selada a aliança entre PR e PT (Foto: Helton Verão)Pose para a foto após selada a aliança entre PR e PT (Foto: Helton Verão)

O PR-MS (Partido da República) já decidiu que vai apoiar a reeleição presidente Dilma Rousseff. É o que avisou na manhã desta segunda-feira (26), o presidente regional e deputado estadual do partido, Londres Machado, durante evento onde confirmou apoio a campanha de Delcídio do Amaral (PT) ao governo do Estado. O apoio à Dilma será independente da decisão nacional, que ainda não foi tomada.

A resposta vem em contrapartida ao boato de que o PR não irá apoiar a presidente, cogitando ficar do lado de Aécio Neves (PSDB) e até de Eduardo Campos (PSB). “O PR tem o aval para definir seu apoio independente do nacional. Temos autonomia para apoiar a Dilma”, ressalta Londres.

Primeiro a declarar apoio a presidente em 2010, hoje no partido, apenas o senador Alfredo Nascimento (AM) acena com vontade de apoiar a aliança no plano nacional. O motivo pelo “racha” seria falta de atenção (na concepção do PR) do governo para com os deputados federais.

PMDB – Sobre o PMDB chegar a anunciar que o PR estaria com o partido na eleição, Delcídio ressalta a autonomia do partido de Londres. “Mostra a autonomia e independência do PR. Com os deputados ajudaram muito o governo do Estado, normal que queiram o apoio para a campanha”, ponderou.

Vice do PT – Durante o encontro do partido hoje na Assembleia Legislativa, após Delcídio dar o aval para o PR para indicar o nome a vice da campanha, o presidente Londres pediu calma. “Não íamos anunciar o apoio ao Delcídio e no mesmo evento já apresentarmos o vice. Seria uma irresponsabilidade. Não vai ser algo decidido só pelo nosso partido, vamos debater com nossos aliados”, responde Londres.

O PR tem intenção de até o início do período de convenções dos partidos para as eleições, dia 12 de junho, ter definido o nome.

Delcídio voltou a afirmar que está esperando a decisão do presidente da Fiems, Sérgio Longen, sobre a candidatura a senador. O atual senador trata como normal a demora na decisão de Longen sobre a disputa.

“Ele tem seus negócios e a presidência da Fiems, mais do que normal pensar se disputará a campanha. Ele prometeu de me dar uma resposta até dia 31 de maio. Pra mim só não vai ser candidato se não quiser”, avaliou Amaral.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions