A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Agosto de 2017

02/12/2015 17:23

Juiz condena 2 da "República de MS" a até 17 anos por fraude em Campinas

Michel Faustino
Aurélio Cance Júnior e Ricardo Cândia foram condenados pela Justiça paulista a 17 e 13 anos de reclusão, respectivamente. (Foto: Reprodução/EPTV)Aurélio Cance Júnior e Ricardo Cândia foram condenados pela Justiça paulista a 17 e 13 anos de reclusão, respectivamente. (Foto: Reprodução/EPTV)

O juiz da 3ª Vara Criminal de Campinas (SP), Nelson Augusto Bernardes, condenou nesta terça-feira, 1, ex-prefeito de Corumbá, Ricardo Chimirri Cândia, que atuou como ex-diretor de Planejamento da Prefeitura de Campinas, a 13 anos de reclusão e Aurélio Cance Júnior, ex-diretor da Sanesul e da Sanasa (Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A) a 17 anos de prisão.

Os dois, juntamente com o ex-secretário de Cultura de Campo Grande, Francisco Lagos, que também é ex-secretário de Comunicação da Prefeitura de Campinas, são apontados como integrantes da chamada “República de MS”, e ambos teriam participação no maior escândalo de corrupção da prefeitura da cidade paulista, “o caso Sanasa”.

Além de Ricardo Chimirri Cândia e Aurélio Cance Júnior, mais treze pessoas foram condenados pelos crimes de formação de quadrilha, fraudes em licitação, corrupção e desvios de recursos públicos, entre elas, Rosely Nassim dos Santos, mulher do ex-prefeito de Campinas cassado em 2011 Hélio de Oliveira Santos (PDT), que também foi condenado a 20 anos de reclusão.

O esquema de corrupção na Sanasa foi desbaratado por uma operação do Grupo de Atualçao Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em maio de 2011, quando 11 pessoas chegaram a ser presas, entre elas, o vice-prefeito Demétrio Vilagra (PT), condenado a 13 anos de prisão.

Eram ao todo 22 réus, apenas quatro pessoas foram absolvidas. O juiz condenou a primeira-dama como líder de um esquema que teria desviado milhões dos cofres da empresa de água do município, com a participação do vice-prefeito, empresários, funcionários públicos e lobistas.

O escândalo levou a cassação também o prefeito Dr Hélio, que não figurou na lista de denunciados, e também seu vice, Demétrio Vilagra, que assumiu o cargo.

O ex-presidente da Sanasa Luiz Castrilon de Aquino, que virou delator do processo, foi condenado a 5 anos e 10 meses de reclusão pelos crimes de formação de quadrilha, fraude em licitação. Sua pena de reclusão foi convertida em prestação de serviços à comunidade, por ter colaborado com as apurações.

O caso - As suspeitas sobre as fraudes foram reveladas em setembro de 2010 após operação do Gaeco, que prendeu uma quadrilha que fraudava contratos em diversas prefeituras, como Indaiatuba, Hortolândia e Campinas. O esquema teria gerado prejuízo de R$ 615 milhões aos cofres públicos dos municípios.

As investigações mais recentes do caso Sanasa envolviam a filha de Ricardo Cândia, Rafaela Costa Candia, que tinha terrenos em seu nome, locais onde a prefeitura autorizou a instalação de torres de telefonia celular.
O aluguel de 14 terrenos para instalação de antenas de celular em Campinas poderia render por mês até R$ 112 mil para a empresa CD Empreendimentos, que tem como sócia Rafaela.

Rafaela também figura como sócia da RP incorporações Ltda., que teve seu pai como acionista majoritário até 2008.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions