ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 29º

Política

Marun afirma que Capital pode fazer a diferença na eleição de 2014

Por Leonardo Rocha | 13/12/2013 11:55
Marun explicou que se Nelsinho abrir vantagem em Campo Grande pode vencer as eleições (Foto: Arquivo)
Marun explicou que se Nelsinho abrir vantagem em Campo Grande pode vencer as eleições (Foto: Arquivo)

O secretário de habitação, Carlos Marun, afirmou que o eleitorado da Capital pode fazer a diferença na escolha do próximo governador do Estado, em 2014. De acordo com ele, se o ex-prefeito Nelsinho Trad (PMDB) abrir vantagem em Campo Grande dificilmente deixa de vencer o pleito ano que vem.

“Campo Grande tem muita força na eleição e isto pode fazer a diferença, se o Nelsinho construir uma vantagem considerável aqui, tem todas as condições de vencer a eleição”, explicou ele.

Marun ressaltou que a pesquisa divulgada ontem pelo Instituto Idope, que aponta Nelsinho na frente do senador Delcídio do Amaral, na Capital, serve como estímulo para campanha do ex-prefeito.

“Nelsinho (Trad) faz parte de um governo (estadual) organizado e bem estruturado que já fez grandes realizações, o que torna viável sua candidatura, estes números só reforçam esta ideia”, apontou ele.

Pesquisa – De acordo com a pesquisa Idope, Nelsinho Trad obteve 31,64% contra 25, 76% de Delcídio do Amaral. Eles foram seguidos por Reinaldo Azambuja (PSDB) com 13,61% e do juiz federal Odilon de Oliveira, que obteve 9,51%.

Região – Considerando-se as sete regiões de Campo Grande, Nelsinho Trad obtém o maior índice entre os eleitores das regiões Central (34,17%), Prosa (34,24%) e Imbirussu (34,63%). O menor percentual foi registrado no Bandeira (27,46%).

Já Delcídio obtém as melhores colocações no Segredo (29,09%), Imbirussu (27,8%) e Anhanduizinho (26,57%). Azambuja obtém a melhor colocação no Centro (29,17%). Odilon tem o melhor percentual no Lagoa (13,01%).

A pesquisa Idope ouviu 1.514 eleitores entre os dias 30 de novembro e 9 de dezembro deste ano em Campo Grande. A margem de erro é de 2,5% e o grau de confiança é de 95%.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário