ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEXTA  30    CAMPO GRANDE 21º

Política

Ministra anuncia novas Casas da Mulher Brasileira, inspiradas em MS

Damares Alves está em Campo Grande, onde elogiou Casa da Mulher Brasileira, que diz ser a melhor do país

Por Izabela Sanchez e Leonardo Rocha | 28/06/2019 10:53
Ministra Damares Alves durante agenda em Campo Grande nesta sexta-feira (28) (Foto: Marina Pacheco)
Ministra Damares Alves durante agenda em Campo Grande nesta sexta-feira (28) (Foto: Marina Pacheco)

Em Campo Grande, durante agenda nesta sexta-feira (28), Damares Alves, a Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, elogiou a CMB (Casa da Mulher Brasileira) inaugurada em fevereiro de 2015, durante o governo de Dilma Rousseff (PT). Damares disse que a CMB de Campo Grande é a “melhor do Brasil”.

A ministra anunciou, também, que o governo vai inaugurar novas CMBs em cidades pequenas do país, inspiradas no modelo de Mato Grosso do Sul. A Casa da Mulher Brasileira reúne todos os serviços de acolhimento e investigação de violência doméstica, a exemplo de psicólogas, delegacia e promotoria.

“Campo Grande tem a melhor Casa da Mulher do país e vou usar esse modelo, com algumas diferenças, para pequenas cidades. É um exemplo para todo país”, disse a ministra. Damares comentou que, “apesar do país ter a terceira melhor lei de combate à violência doméstica”, a Lei Maria da Penha, de 2006, o Brasil é o 5º país com mais casos de violência contra a mulher.

“Isso porque nem todas as denúncias foram feitas, podemos até pegar o 3º lugar”, emendou. Damares declarou estar procurando “propostas diferentes” para tratar do tema. “É importante verificar a rede de proteção da mulher e a sociedade civil tem que participar”, disse.

População indígena – Na Capital do Estado que abriga a 2ª maior população indígena do país, Damares defendeu a permanência da demarcação de terras na pasta da agricultura, revés do governo, que havia sido derrotado na Câmara. A ministra também defendeu políticas específicas para as crianças indígenas.

O assunto, no entanto, também é uma das polêmicas da ministra. Reportagem da revista Época afirma que Damares levou e criou como filha uma criança da aldeia Kamayurá, no Xingu, região norte de Mato Grosso. A adoção da menina, à época com 6 anos, nunca foi formalizada.

“Para o índio o importante não é a terra e o minério e sim ele como principal motivo de políticas públicas. Por enquanto a demarcação voltou para o Moro [titular do Ministério da Justiça], mas queremos que fique na agricultura porque o governo quer que o Incra faça um marco agrário que prevê ações para comunidades indígenas”, comentou.

O Incra (Instituto de Colonização e Reforma Agrária), disse a ministra, vai oferecer laudo técnico para as terras reivindicadas como tradicionais, mas a palavra final será de uma comissão de ministros, da qual ela também participará. “Tenho preocupação com as crianças indígenas, sobre as condições que estão de saúde e alimentação”, disse.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário