ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 25º

Política

Negociação foi uma venda regular, defende advogada de pecuarista preso

Zelito Ribeiro, um dos 14 alvos da operação da PF, se entregou no fim da tarde de quarta-feira (dia 12)

Por Mayara Bueno e Danielle Valentim | 13/09/2018 09:25
Advogado de Zelito Ribeiro, Andreia Flores, duranta entrevista na saída da PF. (Foto: Henrique Kawaminami).
Advogado de Zelito Ribeiro, Andreia Flores, duranta entrevista na saída da PF. (Foto: Henrique Kawaminami).

A advogada do pecuarista Zelito Ribeiro, que se entregou à PF (Polícia Federal) no fim da tarde de quinta-feira (dia 13), Andreia Flores, disse que o cliente tem todas as documentações que comprovam a comercialização de gado.

"A alegação que se faz é que houve um repasse e, a partir daí, lavagem de dinheiro. Apresentamos todos os extratos bancários, mostrando que o dinheiro não saiu da conta dele [Zelito] para eventual pagamento a Reinaldo [Azambuja, governador do Estado]".

A defesa afirma, ainda, que, desde 2017, quando vazou o conteúdo da delação dos donos da JBS, foram entregues documentos e respondidas todas as notificações da Receita Federal.

"A prisão é uma surpresa". A advogada afirma que Zelito é um cliente da JBS e que o Iagro fez um levantamento do gado dele, constatando que era compatível com a saída. "Foi uma comercialização de gado. Não sei se essa documentação chegou no inquérito, talvez essa seja a falha".

Ainda na sede da PF, o pecuarista vai prestar depoimentos nesta manhã.

Vostok - A operação é relativa ao inquérito que tramita no STJ (Superior Tribunal de Justiça) sobre as denúncias da J&F, controladora da JBS, de troca de incentivos fiscais por propinas em Mato Grosso do Sul.

Na planilha entregue na delação à operação Lava Jato, Wesley e Joesley Batista relataram que o modelo de pagamento por meio de Tares (Termos de Acordo de Regime Especial) surgiu ainda na gestão de Zeca do PT, foi mantida por André Puccinelli (MDB) e prosseguiu com Reinaldo Azambuja (PSDB).

Os delatores indicaram pagamentos por meio de notas frias ao atual governador, além da entrega de R$ 10 milhões em mãos. As notas do frigorífico Buriti foram emitidas entre 10 de março e 15 de julho de 2015, totalizando R$ 12.903.691,06.

Outros R$ 15.497.109,40 foram fornecidos por meio de notas falsas. Os emissores foram o pecuarista Elvio Rodrigues (R$ 7,6 milhões), Rubens Massahiro Matsuda (R$ 383 mil), Agropecuária Duas Irmãs Ltda (R$ 886 mil), o deputado estadual José Roberto Teixeira (R$ 1,6 milhão), Miltro Rodrigues Pereira (R$ 1 milhão).

Além de Zelito Alves Ribeiro (R$ 1,7 milhão), o ex-deputado estadual Osvane Aparecido Ramos (R$ 847 mil), Francisco Carlos Freire de Oliveira (R$ 583 mil), o ex-prefeito Nelson Cintra Ribeiro (R$ 296 mil); e o conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado), Márcio Monteiro (R$ 333 mil).

 

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário