ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 23º

Política

PF “viajou” 2,2 mil quilômetros para cumprir mandado em Trairão

Foco da operação é o esquema de pagamento de propina em troca de incentivos fiscais

Gabriel Neris | 12/09/2018 19:30
Documentos apreendidos no gabinete do deputado Zé Teixeira foram levados para a PF (Foto: Paulo Francis)
Documentos apreendidos no gabinete do deputado Zé Teixeira foram levados para a PF (Foto: Paulo Francis)

A operação Vostok, deflagrada pela PF (Polícia Federal) nesta quarta-feira (12), "viajou" 2.218 km para o cumprimento de mandado de busca e apreensão em Trairão (PA). A procura por documentos no bairro Bella Vista, no município paraense, é relacionada a participação de José Ricardo Guitti Guimaro, o "Polaco", no suposto esquema de pagamentos de propinas de empresa do ramo frigorífico.

O esquema de pagamentos de propinas de empresa do ramo frigorífico a políticos era dividido em três núcleos e rendeu lucro de ao menos R$ 67,7 milhões aos integrantes do grupo denunciado. A soma foi calculada pela investigação, consta em trecho do pedido de busca e apreensão, prisão e medida cautelar diversa da prisão feito pelo MPF (Ministério Público Federal) ao STJ (Superior Tribunal de Justiça).

O foco da operação é o esquema de pagamento de propina em troca de incentivos fiscais, quando o Executivo decide deixar de cobrar impostos para estimular que empresa se instale no Estado, que começou em 2003 e foi perpetuado pelos dois governos seguintes.

Para convencer o juízo da necessidade de prender 14 pessoas e vasculhar 41 endereços em busca de provas, o MPF explicou que o esquema era dividido em três núcleos: no topo da pirâmide, os reais beneficiários do montante desviado dos cofres públicos, os articuladores das propinas em segundo lugar e os pecuaristas que emitiam notas frias para lavar o dinheiro.

Entre os locais que a PF também cumpriu mandados de busca e apreensão estavam a casa do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e o gabinete do deputado estadual Zé Teixeira (DEM). Já entre os que tiveram pedidos de prisão temporária estão o filho do governador, Rodrigo Souza e Silva, Zé Teixeira, o próprio Polaco, e o conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado), Márcio Monteiro.

Nos siga no Google Notícias