A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 23 de Março de 2019

13/01/2019 12:01

Pagamento de diária de R$ 500 abre polêmica entre vereadores

Juliano Ferro (PR) afirma que dinheiro é usado para congressos promovidos pela UCV

Mayara Bueno
Juliano Ferro, durante discurso na Câmara Municipal de Ivinhema. (Foto: Divulgação/Câmara de Ivinhema).Juliano Ferro, durante discurso na Câmara Municipal de Ivinhema. (Foto: Divulgação/Câmara de Ivinhema).

Vereador de Ivinhema –a 282 km de Campo Grande–, Juliano Ferro (PR) foi a uma rádio local relatar o pagamento de diárias para parlamentares participarem de congressos promovidos pela UCV (União dos Vereadores de Mato Grosso do Sul). A queixa é de que haveria certo descontrole na concessão e prestação de contas de tal medida, que usa dinheiro público. 

“Legalizaram um crime”, afirma o parlamentar. De acordo com ele, em média, cada vereador tem direito a diárias de R$ 500 para se deslocarem a outros municípios a fim de participarem de seminários nem sempre proveitosos. “Hoje, por exemplo, o vereador sai de Ivinhema com o carro da Câmara abastecido, ninguém dorme na cidade, toma um café, gasta R$ 80. Os R$ 500 que sobram, ninguém devolve”, afirma, apesar de dizer que não tem provas.

Contudo, Juliano promete usar a tribuna no primeiro dia de sessão após o recesso, em 4 de fevereiro, para expor a situação, além de procurar o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul). “Vou levar ao conhecimento deles, pedir para mudar o sistema de diárias em Mato Grosso do Sul”.

Em entrevista à Rádio Ativa, de Ivinhema, onde expôs a situação inicialmente, o vereador contou que os congressos duram de dois a três dias, todo mês. “Esses congressos tratam de alguma coisa ou outra que é produtiva. É tanto congresso, não precisa disso, não tem utilidade. A Justiça tinha de abrir olho, se vai com o carro da Câmara, tem de emitir nota de tudo e ter uma investigação destas notas”, disse durante a transmissão ao vivo.

Segundo Juliano, a maioria dos eventos ocorre em Campo Grande, mas também há edições em Bonito, Ponta Porã, cidades turística e que faz fronteira com o Paraguai, respectivamente.

Outro lado – O presidente da União dos Vereadores de Mato Grosso do Sul, Jeovani Vieira dos Santos (PSDB), que é parlamentar em Jateí –a 292 km de Campo Grande–, defende os congressos que levam os vereadores a usarem as diárias e também nega que exista farra na aplicação delas.

“Em MS, 85% dos eleitos [vereadores, no pleito de 2016] são de primeiro mandato. Não foram obrigados a saber, mas são obrigados a se aperfeiçoar, assim como toda classe”, defende.

O dirigente diz que os congressos reúnem sempre palestrantes que são membros do Ministério Público, Tribunal de Contas, entre outras “pessoas capacitadas”, que discorrem de assuntos relevantes para os parlamentares. O próximo, ainda sem tema definido, vai ocorrer em fevereiro.

De acordo com o presidente, todo vereador presta contas à suas respectivas Câmaras, que liberam o dinheiro da diária, por meio dos certificados de participação nos congressos e também notas fiscais dos serviços consumidos, como alimentação e hospedagem.

Em Jateí, a diária a que um parlamentar tem direito custa R$ 500 se a cidade do congresso for distante. Se for mais próxima, R$ 250. Mato Grosso do Sul tem 853 parlamentares, distribuídos nos 79 municípios, contudo, participam dos congressos “100, 150, 170, nunca mais de 200”, afirma o presidente da UCV.

Indagado sobre a fala de Juliano, Jeovani afirmou que acionou a assessoria jurídica para saber se há alguma forma de representação contra ele. “Eu recebi mensagem de vários vereadores dizendo que vão entrar com representação, umas 100”.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions