A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Julho de 2018

23/11/2017 11:15

Podemos votar a qualquer hora, diz Zé Teixeira sobre reforma da Previdência

Manifestantes ameaçam acampar no plenário se reforma não for tirada da pauta

Anahi Zurutuza e Leonardo Rocha
Protesto no plenário da ALMS (Foto: Paulo Francis)Protesto no plenário da ALMS (Foto: Paulo Francis)

O 1º secretário da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, deputado estadual Zé Teixeira (DEM) disse que apesar de protestos, a casa de leis pode votar a reforma da Previdência estadual a qualquer momento, numa sessão extraordinária convocada para a noite por exemplo.

“Manifestações são válidas e democráticas, mas precisa ter respeito. Já vi várias manifestações com ofensas a deputados, mas nunca uma manifestação que invadiram o plenário e sentaram nas nossas cadeiras”, afirmou.

Nesta quinta-feira (23), quando a proposta do governo do Estado possivelmente seria aprovada em 2ª votação, manifestantes invadiram o plenário. O presidente do Legislativo estadual, Junior Mochi (PMDB), suspendeu a sessão.

Entrave – Uma comissão de sindicalistas foi convocada por deputados estaduais para reunião de emergência e já deixou a sala da Presidência. Os representantes dos servidores estaduais querem a retirada do projeto da reforma da Previdência, do governo do Estado, da pauta e ameaçam acampar na casa de leis.

Um dos porta-vozes do grupo e presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores na Educação de Mato Grosso do Sul), Jaime Teixeira, explicou que a principal reivindicação é quanto a unificação dos dois fundos previdenciários existentes - um deficitário e o outro superavitário em R$ 400 milhões.

A fusão é combatida pelos sindicatos sob a alegação que no futuro, o fundo que tinha superavit – onde estão armazenados recursos das previdências dos servidores contratados a partir de 2012 – sofrerá um rombo em pouco tempo.

“Vamos acampar aqui até que o projeto seja modificado ou tirem da pauta para abrir o diálogo”, afirmou Teixeira sobre os pleitos feitos aos deputados.

Tiago Mônaco, da Associação Beneficente dos Subtenentes, Sargentos e Oficiais oriundos do quadro de Sargentos Policiais e Bombeiros Militares do Mato Grosso do Sul, completou: “não vão votar hoje se não abrirem espaço para diálogo”.

O secretário de Estado de Governo, Eduardo Riedel, foi convocado às pressas para reunião com os deputados depois que os sindicalistas fizeram as reivindicações.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions