ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  21    CAMPO GRANDE 23º

Política

Prefeito veta projeto que prevê isenção de IPTU para viúvas de policiais

O chefe do Executivo justifica que consultou a PGM (Procuradoria-Geral do Município) e o parecer foi pelo veto total

Anahi Zurutuza | 14/05/2018 09:51
Da direita para a esquerda, vereadores Francisco Carvalho, Junior Longo, Vinícius Siqueira, Jeremias Flores e Odilon de Oliveira. (Foto: Izaias Flores/CMCG)
Da direita para a esquerda, vereadores Francisco Carvalho, Junior Longo, Vinícius Siqueira, Jeremias Flores e Odilon de Oliveira. (Foto: Izaias Flores/CMCG)

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), vetou integralmente o projeto de lei que prevê isenção do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) para viúvas ou viúvos de “integrante das forças de segurança pública que vier no desempenho de suas atividades no município”.

Em mensagem para à Câmara Municipal, publicada no Diário Oficial de Campo Grande desta segunda-feira (14), o chefe do Executivo justifica que consultou a PGM (Procuradoria-Geral do Município) e o parecer foi pelo veto total.

“Em consulta à PGM, esta se manifestou pelo veto total ao presente projeto de lei, argumentando para tanto a ocorrência de afronta ao princípio da isonomia, bem como por não atender as exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal”, diz a publicação.

O prefeito defende ainda que a proposta, de autoria do vereador Odilon de Oliveira (PDT) aprovada pelos vereadores na sessão do dia 12 de abril, viola o princípio constitucional da isonomia porque não há “qualquer relação lógica e justificável entre o benefício e os beneficiados”. “A isenção a ser concedida apresenta unicamente uma concessão de benefício gratuito, a fim apenas de privilegiar um determinado grupo”, completa.

Marquinhos alega ainda que a lei significaria perda de receita para o município sem compensação. “A Lei de Responsabilidade Fiscal, em seu artigo 14, exige que se demonstre efetivamente a estimativa do impacto orçamentário e financeiro, em três exercícios, a declaração de que a renúncia não afeta as metas fiscais da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) e de que haverá um aumento compensatório do tributo”.

O chefe do Executivo ainda apela para que vereadores mantenham o veto. “Não resta outra alternativa que não a do veto total, para o qual solicitamos de V. Exa., e dos nobres pares que compõem esse Poder Legislativo o devido acatamento à sua manutenção”.

Nos siga no Google Notícias