ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 24º

Política

Procuradoria-Geral denuncia mais 139 pessoas por atos antidemocráticos

No total, 835 investigados pelos atos em Brasília foram denunciados ao Supremo Tribunal Federal

Caroline Pimentel, da Agência Brasil | 14/02/2023 22:55
Grupo de manifestantes em Brasília, durante atos antidemocráticos. (Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil)
Grupo de manifestantes em Brasília, durante atos antidemocráticos. (Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil)

A PGR (Procuradoria-Geral da República) denunciou mais 139 pessoas por participação nos atos antidemocráticos de 8 de janeiro. O relator dos casos é o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal).  Campo Grande News - Conteúdo de VerdadeCampo Grande News - Conteúdo de Verdade

Dos denunciados, 137 foram presos em flagrante dentro do Palácio do Planalto e duas pessoas foram presas na Praça dos Três Poderes portando rojões, facas, gás lacrimogênio e itens para fabricação de “coquetel molotov”.

O grupo é acusado dos crimes de associação criminosa armada,  abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado contra o patrimônio da União e deterioração de patrimônio tombado.

Nas denúncias, o MPF (Ministério Público Federal) argumenta que “todos gritavam palavras de ordem demonstrativas da intenção de deposição do governo legitimamente constituído” e que o objetivo era “implantar um governo militar, impedir o exercício dos Poderes Constitucionais e depor o governo legitimamente constituído e que havia tomado posse em 1º de janeiro de 2023”.

Até agora, foram denunciadas 835 pessoas, sendo 645 incitadores (participaram dos atos ou foram presos em frente ao Quartel General do Exército, mas não depredaram os prédios), 189 executores diretos da invasão, vandalismo e depredação e um agente público por omissão. Conforme dados, 941 pessoas detidas por causa dos atos permanecem presas.

Além da condenação, o MPF pede o bloqueio preventivo de bens dos denunciados para reparação futura.

Nos siga no Google Notícias