A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 23 de Setembro de 2017

18/08/2017 12:49

Senadores criticam reforma e acham fundo de R$ 3,6 bilhões “inaceitável”

Projeto ainda tramita na Câmara dos Deputados, mas depois de aprovada, seguirá para o Senado

Mayara Bueno
Senadora Simone Tebet, PMDB. (Foto: André Bittar).Senadora Simone Tebet, PMDB. (Foto: André Bittar).
Waldemir Moka, senador do PMDB de MS. (Foto: André Bittar).Waldemir Moka, senador do PMDB de MS. (Foto: André Bittar).

Os três senadores de Mato Grosso do Sul defendem uma reforma na política brasileira, mas discordam de vários pontos que são discutidos na Câmara dos Deputados, onde a projeto de reestruturação tramita atualmente. As principais questões são a criação de um fundo público de campanha de R$ 3,6 bilhões e o estabelecimento do chamado distritão.

“Inaceitável”, disse o senador Pedro Chaves (PSC) a respeito do fundo bilionário para bancar campanhas políticas.“A população brasileira não tem condição de suportar um valor tão alto deste”. Quando a matéria chegar ao Senado, afirma o parlamentar, o ponto que discute o fundo partidário não será aprovado.

Por outro lado, Pedro Chaves defende a redução de partidos, se efetivado o distritão, para que cerca de 30 legendas sejam reduzidas para “12 ou 13”. “E que sejam mais autênticos, com ideologia”.

Para a senadora Simone Tebet (PMDB), o projeto que foi proposto “sequer é uma reforma”. “É lamentável. Precisamos de uma eleição legítima, mais simplificada e barata. O que querem fazer é mudar regras para beneficiar eleição e tirar dinheiro do povo para fazer campanha”. No entanto, a parlamentar é a favor da redução de partidos, mas que tenham ideologia.

Da mesma forma, o senador Waldemir Moka (PMDB), é contrário ao fundo de R$ 3,6 bilhões. “Percebo que não há consenso e ainda está sendo discutido na Câmara, mas dificilmente passa no Senado”, opina.

Senador Pedro Chaves, do PSC de MS. (Foto: André Bittar).Senador Pedro Chaves, do PSC de MS. (Foto: André Bittar).

Projeto - Do texto original proposto na Câmara, os deputados aprovaram a criação de um fundo público com a previsão de R$ 3,6 bilhões para financiar as campanhas eleitorais a partir do ano que vem.

Os parlamentares mantiveram também a sugestão de estabelecer um mandato temporário de 10 anos para ministros do Poder Judiciário.

O chamado distritão permite que deputados federais, estaduais, distritais e vereadores, antes eleitos de forma proporcional considerando os partidos e coligações, passem a ser escolhidos pelo número absoluto de votos, da mesma forma como são eleitos prefeitos, governadores e o Presidente da República.

Os três senadores participaram da comemoração do centenário da Santa Casa de Campo Grande, que ocorreu na sede da instituição na Capital.

Sem consenso, Câmara adia votação da reforma política
Sem consenso e diante de muita polêmica, o plenário da Câmara dos Deputados adiou na noite desta quarta-feira (16) a votação do texto-base de parte d...
Reinaldo defende fundo público de campanha e redução de partidos
Achando necessária e urgente uma reforma política “ampla”, o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), defendeu poucos partidos, ma...
Comissão conclui votação de destaques e reforma política pode ir a plenário
A comissão especial que analisa a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 77/03, que trata de mudanças no sistema político-eleitoral, concluiu hoje (...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions