A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

16/03/2016 11:22

STF nega liminar para barrar processo contra Delcídio no Conselho de Ética

Aline dos Santos
Delcídio é alvo de representação no Conselho de Ética. (Foto: Marcos Ermínio)Delcídio é alvo de representação no Conselho de Ética. (Foto: Marcos Ermínio)

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Celso de Mello, negou liminar ao senador Delcídio Amaral (em processo de desfiliação do PT) para suspender o curso da representação de abertura de procedimento disciplinar contra ele no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado.

O conselho tem reunião agendada para às 14h30 (horário de Brasília) desta quarta-feira. O procedimento pode resultar na cassação do mandato do parlamentar. No mandado de segurança, apresentado ao Supremo, o senador afirmou que vem sofrendo constrangimento ilegal pelos procedimentos adotados no âmbito do Conselho de Ética.

Ele citou desde o fato de estar afastado de suas funções por licença médica até a decisão do presidente do Conselho de Ética de “precipitar a leitura do relatório prévio de admissibilidade da representação”, antes da análise da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, que teria o prazo regimental de 15 dias úteis para a emissão de parecer.

Contudo, as justificativas da defesa não foram aceitas pelo ministro. Na decisão de 17 páginas, Celso de Mello considera que a licença médica do senador não o torna imune ao processo de cassação e lembra que a liberação para tratamento de saúde não o impediu de apresentar defesa ao Conselho de Ética.

“A licença para tratamento de saúde concedida ao impetrante não o impediu de exercer, ainda que na fase introdutória do procedimento instaurado perante o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, o direito de defesa, mesmo porque não se lhe exigiu, até o presente momento, o comparecimento perante aquele órgão do Senado da República, circunstância que afasta qualquer alegação de ofensa ao seu direito de presença”, informa o ministro na decisão.

Quanto ao fato de relatório não ter sido analisado pela Comissão de Constituição, a Justiça considerou o tema como questão interna do Senado. Já os comentários do relator do processo de Delcídio no conselho, que segundo a defesa ultrapassou os limites da crítica comedida, não motivaram suspeição. O relator é o senador Telmário Mota (PDT/RR).

Ao negar a liminar, o ministro aponta que não há a existência de plausibilidade jurídica e nem a possibilidade de lesão irreparável ou de difícil reparação.

Caos - O senador foi preso por tentar obstruir investigações da operação Lava Jato e denunciado ao Conselho de Ética pelos partidos Rede e PPS. A prisão foi entre 25 de novembro e 19 de fevereiro. Neste período, Delcídio fez uma delação premiada, homologada ontem pelo STF. No documento, o senador dispara denúncia contra diversos políticos. Diante do teor das declarações, Delcídio se classificou, em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, como um “profeta do caos”.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions