ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 27º

Política

Vereadores ressaltam necessidade de provas em caso de exploração sexual

Flávia Lima e Juliana Brum | 12/05/2015 12:15
Vereadores dizem que outra CPI só com provas concretas. (Foto:Divulgação)
Vereadores dizem que outra CPI só com provas concretas. (Foto:Divulgação)

Durante sessão desta terça-feira (12), vereadores de Campo Grande criticaram a forma como vem sendo divulgada as informações sobre os supostos envolvidos no escândalo de exploração sexual de adolescentes.

Ontem, surgiu informação de que mais dois vereadores, um da base e outro da oposição, também estariam envolvidos no caso, que já rendeu a renúncia do vereador Alceu Bueno. A Polícia Civil, que conduz as investigações em sigilo, não confirmou o nome de nenhum parlamentar até o momento.

Até o momento estão presos o ex-vereador Robson Martins e os empresários Luciano Pageu e Fabiano Otero. Este último fez acordo de delação premiada e diz ter uma lista com dez nomes relacionados ao esquema.

O clima de tensão devido aos nomes ainda não revelados suscitou críticas entre os vereadores, que ressaltam a necessidade de apresentar provas, incluindo imagens de vídeo.

“Até o momento são especulações. Não há nada concreto”, disse a vereadora Carla Stephanini (PMDB), que preferiu não aprofundar os comentários dos empresários presos e que afirmam ter os novos nomes.

O vereador Chiquinho Telles (PSD) chegou a brincar dizendo que como é independente, seu nome está salvo. “Tudo o que vem sendo falado é pela imprensa. Se há outros nomes é preciso apresentar provas para desvendar rápido o caso”, enfatizou.

Já o vereador Carlos Borges, o Carlão (PSB), disse que conversar com alguém através de redes sociais não prova nada. Seria preciso o registro de conversas com teor erótico. “Isso é caguetação premiada e não delação”, destacou.

Na sua opinião, o empresário Luciano Pageu está sendo pressionado a dizer que existem mais dois vereadores envolvidos.

Para o vereador, a situação foi criada para tirar o foco de assuntos mais importantes que vem acontecendo na cidade, mas não mencionou quais seriam. Ele ressalta que a Câmara só instalaria uma nova CPI mediante provas concretas e bem embasadas.

Nos siga no Google Notícias