A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

06/02/2017 14:07

Andar sem marcha a ré

Por Enildes Corrêa (*)

Nas marchas do tempo, não há marcha a ré. O fluxo da vida sempre nos empurra pra frente, independentemente das situações que se apresentam. Quer seja nos sentindo felizes ou não, somos compelidos ao movimento, a andar, e de preferência, sem nenhuma muleta emocional. Afinal, isso é exigido de todos nós por parte da Existência. O amor eleva; já os apegos, de qualquer natureza, atravancam a jornada espiritual e causam sofrimentos desnecessários.

Buscar o fortalecimento interior levou-me a dedicar intensamente ao autoconhecimento. Na busca pelo aprofundamento espiritual, viajei para a Índia. Visitar o país de nascimento de Gautama Buddha foi viajar para dentro de mim mesma, experienciar um modo de viver totalmente diferente, voltado para a interiorização e a espiritualidade, e que plantou em mim a semente do retorno.

Identifiquei-me com as terapias corporais energéticas e com a meditação. Sentia-me atraída, especialmente, pelo mistério que representava para mim a arte da cura pelas mãos, tão natural no Oriente. Perguntava-me como era possível, através do toque das nossas mãos, aliviar o sofrimento físico, psicológico e espiritual de uma pessoa. Achava incrível perceber, no meu corpo e no de outras pessoas, a manifestação da energia.

A minha própria vivência ao sentir e perceber a dimensão sutil da expressão do ser humano deu-me conhecimento experiencial e bastante embasamento a esse respeito. Assim, ao retornar ao Brasil, iniciei a minha carreira profissional de terapeuta corporal Ayurveda.

Através da meditação, descobri um espaço de relaxamento e silêncio, desconhecido para mim, que me causou um profundo bem-estar. Bem-estar que não dependia de nada externo. Vislumbrei as possibilidades que a meditação nos abre. Mas foi na Índia, ao lado de um Ser Desperto, que tomei consciência da amplitude das dádivas do silêncio interior.

Na minha segunda viagem, conheci Kiran Kanakia, místico sufi indiano. Um mestre iluminado é fonte de luz, silêncio, amor e sabedoria. O Mestre é o Grande Terapeuta. Sentar-se com o Mestre é sentar consigo mesmo, aprender a atravessar a ponte do espaço exterior para o interior, ir pra dentro de si com consciência, sem escapatórias.

Dei-me conta de que tudo, sem exceções, valera a pena em minha vida, mesmo as tempestades mais fortes, que me sacudiram intensamente, que me obrigaram ao árduo exercício do desapego de tantas coisas e de muitos sonhos também.

“Deus escreve certo por linhas tortas”, lembra o dito popular. Questiono-me se as linhas são tortas de fato ou se torta é a nossa visão... E Osho afirma: “A Existência é mais sábia que você e irá proporcionar-lhe todas as oportunidades necessárias para o seu crescimento”.

Ao conviver com o Mestre comecei a sair da cegueira, dos limites do meu pequeno mundo, e vislumbrei a dimensão ampla e transcendente do ser humano. Este é um dos presentes que a Índia e o encontro com Kiran Kanakia me deram: o despertar para o sagrado e o reconhecimento da nossa própria divindade.

Compreendi que a vida é constante movimento que traz mudanças, ondas diferentes que vêm e vão, causando em nós uma diversidade de sensações e emoções – prazer, dor, alegria, frustração, raiva – mas com entendimento, confiança e equilíbrio aprende-se a olhar os desafios de maneira relaxada. Sem desespero, há segurança para colocar os pés no chão e andar sem medo da vida. Afinal, ela é nossa amiga, e não inimiga.

Meu pai dizia: “A pessoa, sabendo viver, não tem destino ruim e, quando se tem ritmo, equilíbrio, é difícil dar errado”. Uma vez ou outra, a gente perde o rumo, mas também isso faz parte do processo de aprendizado de todos nós. Porém, o silêncio sempre apruma, voltamos ao centro de onde se ouve a voz do comando interior – a voz da força da vida em nós -, que dá a orientação correta da direção a prosseguir em cada momento.

Kiran K. deu o exemplo da água quando fica turva pela lama. Quanto mais a revolvemos, mais ela permanecerá suja. Se tivermos paciência e não a movimentarmos, a lama se assentará naturalmente, e a água ficará limpa e transparente outra vez. Com clareza vê-se a realidade tal como ela é: sem julgamentos e projeções. Decisão tomada a partir dessa condição de clareza será assertiva e levará cada um ao rumo determinado pela própria vida.

(*) Enildes Corrêa é administradora, palestrante; terapeuta corporal Ayurveda e professora de Yoga com formação e aperfeiçoamento na Índia.

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions