A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

18/07/2012 08:32

As mídias sociais nas eleições

Por Acácia Lima (*)

Inegável fonte de informações, entretenimento, divulgação e interatividade, as mídias sociais terão papel fundamental nas eleições brasileiras de 2012. Já usada como ferramenta de campanha, a internet diminuiu o poder da TV - enquanto o candidato apresenta seu plano de governo, os eleitores estão falando ao celular e navegando no Facebook e Twitter.

Utilizadas com extremo sucesso na campanha de Barack Obama durante a corrida presidencial americana de 2008, as redes sociais não só o aproximaram dos seus eleitores, como também foram responsáveis por 47% do dinheiro arrecadado, só no Twitter.

Além do Facebook e Twitter, outro canal de grande importância é o YouTube. Se na TV os candidatos controlam sua imagem, no YouTube qualquer pessoa pode divulgar um pequeno vídeo feito com o próprio celular. Aliás, esse será o grande desafio das próximas eleições: a regulamentação das mídias sociais.

Segundo a ministra da Secretaria de Comunicação da Presidência da República, Helena Chaves, durante a Conferência Legislativa sobre Liberdade de Expressão, na Câmara dos Deputados, “o número de pessoas que lidam com as redes sociais é enorme e não há nada a ser feito em termos de regulamentação por causa da liberdade de expressão. Esse é o desafio porque há pessoas que entram na Justiça reclamando dos abusos que destroem reputações”.

A ministra disse ainda que a internet é um dos espaços mais caóticos de expressão e é quase impossível de ser fiscalizado. “Acho quase impossível fiscalizar [a internet]. É uma sinuca de bico e temos que encontrar a medida certa, mas nada que controle o conteúdo”, defendeu.

Dessa forma, caberá ao candidato que decidir utilizar as mídias sociais em sua campanha vigiar constantemente os perfis a fim de interagir nas boas e más mensagens a seu respeito.

Alguns eleitores, entretanto, já estão se manifestando contra as campanhas via Facebook, defendendo o direito de usar esse espaço apenas para os assuntos de sua livre escolha.

Este é, portanto, outro desafio desta campanha. Além de controlar o que é publicado, os candidatos terão que descobrir uma maneira de envolver e engajar o eleitor, sem invadir seu espaço e sem correr o risco de ser “excluído”. Está lançada a tarefa.

(*)Acácia Lima é jornalista e diretora da YellowA, agência especializada em mídias sociais.

Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...
O Império Romano é aqui
Estudar História é uma das melhores formas de aprender. Quase tudo o que ocorre atualmente de alguma forma já ocorreu no passado. Se formos capazes d...


Só em Campo Grande temos mais de 330 mil usuários de facebook, como negligenciar esse canal gratuito e legal segundo a norma do Tse?
 
Janaê Pereira em 18/07/2012 06:16:45
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions