A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

25/07/2014 10:00

Dilma com mais quatro anos? Pra que?

Por Ruy Sant’Anna (*)

O povo realmente acordou e discorda da conversa de alguns petistas e marqueteiro-mor que quer dar a impressão de que Lula poderia voltar. Todo mundo sabe que Lula nunca saiu do governo. Ele ainda não desencarnou e está assombrando com seus desmandos aos próprios companheiros. Lula tal Dilma também perdeu o rumo e a bússola.

De Lula, Dilma, Haddad e Padilha, nenhum deles sequer supunha que tudo pudesse dar tão errado como agora.
A barba petista está crescendo por inapetência administrativa e incompetência. O governo está desnorteado. Sabe fazer projetos mirabolantes e cria slogans até interessantes, mas não evoluem, não passa disso, e o povo está cheio de promessas porque vê que o governo desde o começo não desceu do palanque das promessas vazias. Com quase 12 anos petistas ainda querem jogar culpa sobre os outros...

Será que o TCU está acompanhando de perto as obras iniciadas e não acabadas (com dilapidação do patrimônio público), os superfaturamentos, jogo de empurra nos hospitais até sem esparadrapos, fechamento de leitos hospitalares pelo SUS, estradas esburacadas, portos entupidos com caminhões e caminhoneiros obrigados a pagar multas descabidas, aeroportos inacabados e outros com “enchente” por chuva em seu saguão de passageiros até na Capital do País. Lula e Dilma ainda querem que a presidente tenha mais quatro anos? Pra que? Só para manter compromissos com a sua base aliada, com dinheiro público?

O que falar então de membros da base aliada que desde Lula e agora Dilma sempre balançou a cabeça para dizer sim aos desmandos? Agora, com gestos metrificados, estudados e determinados por marqueteiros querem nos fazer crer que vão “cobrar” atitude desse governo ao qual pertencem? A exemplo do candidato petista Delcídio aqui no Mato Grosso do Sul... Cobrar o que se esses mal disfarçados sempre disseram amém ao governo petista? Creio que eles devem satisfação à “soberana” presidente Dilma porque com o barco “fazendo água” estão querendo abandonar o navio, mas é bom que saibam que ainda faltam praticamente três meses para a eleição. E disfarçadamente ou não, vão precisar fazer o “beija mão” da soberana e tentar alguma benesse palaciana de companheiro para companheiro, de preferência que ninguém os vejam.

Existe mérito e respeito àqueles que votaram em Dilma e hoje se arrependem dignamente do voto que deram erradamente. Todo mundo erra, mas permanecer no erro... Nem adianta o PT argumentar que Lula na atual situação faria melhor. Ele só foi melhor que Dilma porque encontrou o governo arrumado, pelo Plano Real que Lula e o PT tanto combateram. O Plano Real foi quem lhe garantiu estabilidade e governabilidade.

Hoje, o governo petista está sufocando as indústrias e é por isso que várias grandes indústrias, muitas médias e incalculáveis pequenas e mini-indústrias estão falindo ou simplesmente fechando, quando informais. Essa bagunça governista já está caindo em cima do comércio que vende menos mês a mês. Mas, a pergunta é: o que o governo pretende fazer para suprir esse sufoco à indústria e comércio, às bolsas, e para garantir aumento de salário dos funcionários públicos e destravar a economia etc.

No ano passado, o governo arrecadou UM TRILHÃO E QUINHENTOS BILHÕES DE REAIS dos brasileiros em impostos.
Por que agora as coisas seriam diferentes? Dilma precisa do eleitor agora, mas mesmo assim a experiência nos ensina que ela não cumpre o que promete.

A única classe na área econômica que se dá bem é a dos banqueiros que, conforme Lula sempre afirmou, NUNCA GANHARAM TANTO DINHEIRO COMO NO SEU GOVERNO, e continua com Dilma. Portanto, estão todos sobre o mesmo guarda-chuva petista.

Há dias jornalistas estrangeiros perguntaram à presidente por que a economia cresce tão pouco. Ela disse não saber. Foi sincera. Não sabe mesmo. Como não tem o diagnóstico, falta-lhe o prognóstico. Entre o passado, que ela ignora, e o futuro, que ela não antevê, há este enorme presente à espera de medidas corretivas que ela não sabe como tomar. Ocorre que seu governo é como seu discurso: um caos de fragmentos de idéias nem sempre claras, desordenadas por locuções fora do lugar ao que tem de ser feito. Ninguém entende nada, a começar por ela mesma.

O governo Dilma é uma seqüência de erros, que as gritarias e distorções de Lula não conseguem evitar.
O senhor Lula é a pessoa não indicada para dizer o que é certo ou errado e é muito menos indicado para ofender ou elogiar. Lula dizia que o plano real e os programas sociais de FHC eram errados, mas foi o governo de FHC que lhe deu sustentação econômica. Dizia que Collor, Sarney e Maluf eram ladrões, mudou de opinião e os trata como companheiros de reputação ilibada. Portanto a régua usada por Lula para medir as pessoas não é a mesma que gente decente utiliza.

Um dia desses, o ex-presidente Lula julgou ter encontrado a razão do problema econômico do governo. “Os empresários, de mau humor, deixaram de investir” teria dito. Isso é próprio das invencionices de quem não tem razão: transformar dificuldades que são objetivas, que são técnicas, em mera indisposição subjetiva é inconcebível. Há muito tempo estão dados os sinais de que o crescimento da economia, ancorado basicamente no consumo interno, já esgotou o seu ciclo.

Assim, a inflação iniciou em razão de circunstâncias que não eram do controle popular; agora, expande-se por motivos igualmente alheios à nossa vontade, mas por culpas conjunturais não resolvidas pelo governo, como desburocratização para exportação; também pela indexação da economia; travamento dos portos; a invasão econômica chinesa que tanto prejuízo causa à indústria e comércio porque o governo arreganhou-se à importação. Os consumidores da mesma forma estão no prejuízo devido à baixa qualidade dos produtos chineses, além do mercado de trabalho que também é prejudicado pelos produtos chineses etc. E lá está o Ministro da Fazenda com previsões na base do “chute”. Na verdade o consumo exagerado trouxe-nos o recrudescimento da inflação. E o pior dessa impensada atitude do governo que não fez plano emergencial para sair dessa inflação que era prevista, as famílias brasileiras é que sofrem e dia a dia aumenta o número de pessoas endividadas e inadimplentes. Com isso surgem as restrições do crédito para empresas e pessoas físicas.

Essa é uma mínima influência negativa desse governo que dá para mostrar aqui, devido o pouco espaço. Então, pra que mais quatro anos pra Dilma? Em resposta a essa ingovernabilidade e muitos mais é que a data de 5 de outubro marcará o antes e o depois do Brasil, garantindo à presidente Dilma a tranqüilidade de seu lar. Nessa união cidadã vamos nos manter unidos na democracia e desenvolvimento nacional, sem falsidades. Dou-lhe aqui o meu bom dia, o meu bom pra você sul-mato-grossense.

(*) Ruy Sant’Anna, jornalista e advogado

O “Lado B” da delação premiada
Embora não seja novo no nosso Direito, é fato que o instituto da “delação premiada” passou a ser muito utilizado somente após a regulamentação que lh...
Inteligência espiritual
Parece-me que há alguns estudiosos de psicologia que costumam misturar ciência com religião, duas atividades mentais bem distintas, com metodologias ...
A regulamentação do Lobby no Bra
Desde 1989 o Projeto de Lei do Senado que propõe regular a atividade de Lobby no Congresso Nacional, PLS 203/89 de Marco Maciel (DEM- PE), está no Co...
Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions