A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

12/07/2012 13:30

Doutor deixe seu paciente falar, por Ruy Sant’Anna

Por Ruy Sant’Anna (*)

Nem todos os médicos têm a paciência ou dom de saber ouvis seus pacientes. E isso não apenas em postos de saúde, mas também no atendimento médico particular ou conveniado.

Relacionado a esse aspecto está o receio do paciente que, recebe no peito, uma relação enorme de pedidos de exames e essas questões colocam os pacientes na procura de bons clínicos gerais. Que tenham paciência ou dom de saber escutar e como conseqüência limite ao mínimo necessário os pedidos de variados exames.

Imagine a trabalheira do paciente que tem de se submeter a uma bateria de exames complementares. Caso o problema seja de coluna ou crise rim, por exemplo, ter de pegar um ônibus várias vezes e em dias alternados, com o adicional da despesa do passe etc.

O profissional médico tem de permitir que se estabeleça a empatia, entre ele e seu paciente como primeiro passo. É essa situação que fará do médico, um profissional ocupado, sobretudo com o ser humano e não apenas com a doença.

Tais observações as faço e ouço desde criança, iniciando com o dr. Francisco Bezerra (na “Capital” Porto Murtinho), jovem com o dr. Walfrido Azambuja, e adulto como acompanhante de minha querida e saudosa mãe com o dr. Nagib Derzi e pessoalmente com o dr. Francisco C. B. Leite, este atende no Posto de Saúde 26 de Agosto: lá sou seu paciente.

Todos têm ou teve essas bases profissionais no atendimento médico, com exceção do dr. Walfrido Azambuja, que já faleceu.

Foi o dr. Nagib Derzi quem contou-me sobre sua maneira de atuar e porque. Ele me disse que era avesso aos pedidos de exames como principal forma para o tratamento, pois prefere ouvir seu paciente, sentir-lhe e fazer todos os procedimentos clínicos antes do pedido de qualquer exame adicional ao seu laudo clínico.

Detalhou-me que para entender a história do paciente precisa chegar à sua essência, o que lhe garante tratamentos mais precisos e eficazes. E claro, com tais cuidados fica-se mais tranqüilo para cumprir o tratamento, mesmo que não seja fácil.

Sabe-se que muito doente ou parente próximo deste preocupa-se em se informar se tal ou qual médico é bom ou merece confiança. Se tem ou não conhecimentos abrangentes capazes de resolver a grande maioria das afecções sem perda de tempo ou desperdício com exames complementares onerosos ao paciente ou ao SUS; e também demorados.

Assim, parabenizo aos pacientes dos médicos acima relacionados, também aos seus familiares por serem privilegiados com o convívio de pessoas dedicadas e éticas.

Mais que tudo, profissionalmente não só auscultam, mas escutam seus pacientes. E aí, acredito, está toda a diferença: algumas vezes estes são compensados pela conversa afetuosa, e pode ser disso que o paciente precisa.

Daí, dou-lhes bom dia, o meu bom dia pra vocês.

(*) Ruy Sant’Anna e advogado e jornalista.

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions