A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Outubro de 2019

15/12/2011 12:32

Em nome da paz

Por Laerte Tetila*

Não se pode pretender uma sociedade moderna humana e socialmente avançada prescindindo dos direitos fundamentais da pessoa humana. Os direitos humanos surgiram com a grande missão de repugnar tudo aquilo que se contrapõe e viola a dignidade da pessoa humana, porque o desrespeito aos direitos humanos, ao longo dos tempos, resultaram em atos bárbaros que ultrajaram a consciência da humanidade.

Na verdade, os direitos humanos surgiram na era Hitler, exatamente como resposta às atrocidades cometidas pelo nazismo, cujo saldo foi a morte de milhões de pessoas. E se as duas grandes guerras aconteceram, certamente, foi porque a humanidade ainda não dispunha da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Portanto, a humanidade clamava pelo advento de um mundo a salvo do terror contra as pessoas e contra os povos. Os direitos humanos, fruto da referida declaração, e que surgiu em 1948, vieram com esse objetivo: melhorar as regras de convivência humana. Vieram para nos fazer enxergar o mundo com os olhos dos fracos, dos oprimidos, dos discriminados, dos perseguidos, dos explorados, dos torturados, dos injustiçados.

Mas, como o destino de tudo o que é útil e bom para a humanidade é ser ridicularizado antes de ser reconhecido, os direitos humanos, apesar da nobre missão de proclamar e reivindicar a dignidade da pessoa humana, ainda segue incompreendido por alguns que, infelizmente, ainda não conseguiram romper com as barreiras psicológicas que as façam compreender as razões do sofrimento humano. Negar a importância dos direitos humanos, no nosso entender, é uma atitude no mínimo irresponsável. Para nós, negar os direitos humanos, é negar nada mais, nada menos que o valor da pessoa humana.

É negar o respeito à dignidade humana, tão altíssimamente proclamada na Constituição Brasileira. Para José Saramago, prêmio Nobel de Literatura, “somos seres racionais mas não nos comportamos muito racionalmente; nós, seres humanos, somos os únicos que inventaram a crueldade e, por cima da violência, os seres humanos inventaram a crueldade”. Infelizmente, a sociedade humana ainda preserva certas sequelas da intolerância e da injustiça.

Quem se posta contra os direitos humanos só pode facilitar o trabalho escravo, a violência contra a mulher, a exploração sexual de crianças (pedofilia), o turismo sexual com meninas adolescentes e a homofobia. Penso que a humanidade está vivendo um período de introspecção.

Penso que a maioria dos seres humanos já está sendo capaz de olhar para dentro e analisar os erros, fazendo a mea culpa. Não há como tornar a sociedade efetivamente civilizada, moderna e de vocação pacífica, humanista, sem que se respeite a dignidade da pessoa humana, requerida pelos Direitos Humanos. Não há como negar que os direitos humanos são um direito que todos temos de execrar. Acredito, fervorosamente, que a humanidade está sendo capaz de construir uma nova história. A história sem violação dos direitos fundamentais da pessoa humana. A história da Paz!

(*) Laerte Tetila é geógrafo e deputado estadual (PT).

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions