A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

01/06/2016 15:12

Embriaguez ao volante e lesão corporal culposa na direção de veículo automotor

Por Stefanny Silva Coquemala (*)

Conforme o princípio da consunção, ou da absorção, o delito mais amplo e de maior gravidade, consome os demais delitos de menor gravidade e amplitude, que por sua vez, atuam como meio de preparação, execução, ou mero exaurimento. Por esta razão, o crime fim absorve o crime meio, ou seja, a lei consuntiva prefere a lei consumida.

Observe-se ainda, que o Código de Trânsito Brasileiro – Lei nº 9.503/97, prevê nos artigos 306 e 303, respectivamente, os crimes de lesão corporal culposa na direção de veículo automotor, bem como, embriaguez ao volante.

Nesse sentido, discute-se a incidência do princípio da consunção, entre os delitos dos artigos 306 e 303 do Código de Trânsito Brasileiro, fato que divide a opinião entre os operadores do direito acerca do reconhecimento do concurso material.
Dando forma a esse entendimento, alguns doutrinadores reconhecem a consunção entre os delitos mencionados, merecendo subsistir somente o crime de lesão corporal culposa, tipificado no artigo 306, do CTB.

Remanesce a opinião de que, em casos como esses, a conduta de praticar lesão corporal culposa na direção de veículo automotor, absorveria a conduta de conduzir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada, em razão da influência de álcool ou de outra substância psicoativa.
Ao estabelecer a reprimenda do artigo 306, do CTB, o legislador teria tutelado meramente a segurança viária, crime este de perigo abstrato, ao passo que, o delito do artigo 303, do CTB, trataria, exclusivamente, de crime de dano, o qual salvaguarda, principalmente, a integridade física do ser humano, além da segurança viária.

Dessa percepção, poderíamos argumentar que o objeto jurídico da segurança viária estaria englobado no crime de lesão corporal, por ser este mais amplo. Na medida em que, o delito de embriaguez ao volante constituiria unicamente risco ao mesmo bem jurídico, o que impossibilitaria a aplicação do concurso material ou formal de crimes .
Desse modo, ainda que o crime de embriaguez ao volante não seja considerado como delito imprescindível para a lesão corporal culposa na direção de veículo automotor, representaria artifício para a sua realização, já que o agente ingere bebidas alcoólicas e, seguidamente, conduz veículo automotor acreditando estar em perfeitas condições para dirigir.

Entretanto, a despeito do entendimento acima exibido, a aplicação do concurso material deve predominar, inicialmente porque os dois delitos tutelam bens jurídicos diversos, uma vez que o objeto jurídico do crime de lesão corporal culposa é a integridade física do ser humano, e no crime de embriaguez ao volante o objeto é a segurança viária.
É sensato observar, também, que a penalidade adotada para o crime de embriaguez ao volante é de seis meses a três anos de detenção, já o crime de lesão corporal culposa prevê a sanção de seis meses a dois anos de detenção, deste fato, em razão do princípio da razoabilidade, podemos afastar a aplicação do princípio da consunção, visto que, não haveria coerência em absorver a infração de perigo (mais grave), e considerar apenas a infração de dano, que é apenada de forma mais branda.

Além disso, outro aspecto valoroso é o momento consumativo desses crimes, haja vista que, no delito de lesão corporal, o crime se consuma no momento da ocorrência da lesão à vítima – crime material. Enquanto que no delito de embriaguez ao volante – crime de perigo abstrato, o crime se perfaz no momento da condução do veículo, estando o agente como a capacidade psicomotora alterada devido ao consumo de bebidas alcoólicas.

Resta evidenciado que o delito de embriaguez ao volante não é meio essencial ou fase de preparação para a ocorrência do delito de lesão corporal culposa, limitando, mais ainda, o emprego da absorção entre tais crimes.

Portanto, é indubitável que, na eventualidade de ocorrência dos delitos de embriaguez ao volante e lesão corporal culposa, previstos no Código de Trânsito Brasileiro, será pertinente a aplicação do concurso material de crimes, devendo as penas serem somadas, consoante o sistema da cumulatividade.

(*) Stefanny Silva Coquemala é advogada no escritório Mascarenhas Barbosa.

Inteligência espiritual
Parece-me que há alguns estudiosos de psicologia que costumam misturar ciência com religião, duas atividades mentais bem distintas, com metodologias ...
A regulamentação do Lobby no Bra
Desde 1989 o Projeto de Lei do Senado que propõe regular a atividade de Lobby no Congresso Nacional, PLS 203/89 de Marco Maciel (DEM- PE), está no Co...
Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...
Tudo pelo cliente
Muitas pessoas me perguntam como é o meu dia a dia, como é administrar uma das marcas mais valiosas e admiradas do Brasil. Posso dizer, sem falsa mod...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions