A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

21/07/2012 10:11

Enfermagem com 30 horas em Ladário

Por Ruy Sant’Anna (*)

A vida em sociedade ou profissionalmente falando exige no dia a dia tomadas de atitudes, que muitas vezes acabam dirigindo o rumo de nossas vidas.

Aqui abordo as decisões políticas compreensivelmente entendidas pelas decisões, que pelos prazos e cumprimentos burocráticos, acabam inibindo tomadas de decisões importantes. Tanto nos executivos ou legislativos dos poderes federal, estadual ou municipais.

A luta da enfermagem brasileira, e no estado de Mato Grosso do Sul e em cada município pelo reconhecimento do direito básico na fixação da sua carga horária é justa, ética e digna de reconhecimento.

Só o reconhecimento não basta. O poder político tem que decidir: está a favor ou contra o direito da carga horária de 30 horas semanais para a enfermagem.

No plano federal existe um Projeto de Lei (PL) que tramita no Congresso Nacional há praticamente 13 anos. Neste caso, não se pode ser ingênuo e acreditar que o excesso de trabalho desse legislativo impediu que se decidisse.

O que houve e continua acontecendo é o domínio da manobra política do governo central que manipula suas bancadas impedindo a votação desse PL.

Agora está na hora da decisão. As eleições municipais estão aí.

A classe da enfermagem se quer uma decisão objetiva deve reunir-se com cada um e todos os candidatos a prefeito e expor-lhes sua necessidade sobre o estabelecimento da carga horária.

A carga horária de 30 horas para a enfermagem pode ser fixada nos municípios, independentemente de lei federal.

Todos queremos ser bem tratados não só pelos médicos, mas sobretudo pelos enfermeiros e os demais profissionais da enfermagem que acompanham os pacientes 24 horas por dia. Não é mesmo?

Aí está: essa questão diz respeito não só a classe da enfermagem, mas a toda sociedade. Seja em órgãos públicos, particulares ou de planos de saúde. Interessa a todos nós.

É urgente. É uma solução que garantirá melhor assistência aos pacientes e qualidade de vida mais digna com segurança aos profissionais.

Repito o que já escrevi há dias: outros profissionais dignamente já têm fixadas suas cargas horárias semanais, os médicos com 20 horas, desde 1961; fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais, desde 1994 e assistentes sociais de 2010, todos com carga horária de 30 horas.

Só a enfermagem está marginalizada e sofre com sobrecarga horária.

Acredito que a maioria da população de todos os municípios brasileiros sabe de profissionais da enfermagem que além do atendimento hospitalar público ou particular, o fazem em postos de saúde, ainda prestam serviço em residências e clínicas particulares.

Por vocação ou amor não podem ter tristeza ou dor, e sempre têm de sorrir com acréscimo da gentileza e carinho. Claro que como em toda profissão sempre aparece algum estrupício mal humorado etc., mas é exceção.

Em nosso Estado, informou-me o Conselho Regional de Enfermagem (Coren/MS): “não tem nenhum município com lei municipal de regulamentação para 30 horas na enfermagem. No estado de Mato Grosso do Sul apenas o município de Ladário aplica as 30 horas e apenas aos funcionários municipais, considerando o previsto em edital”.

Então, em todo o Estado “não tem nenhum município com lei municipal de regulamentação para 30 horas na enfermagem”, complementou a Assessoria de Imprensa do Coren/MS.

E mais: “no estado apenas oito instituições trabalham com jornada de 30 horas e uma com 36 horas, partindo de política interna das instituições”.

A questão colocada aqui é de justiça. Justiça em reconhecimento à classe da enfermagem. Que o Coren/MS aja unido abraçando a causa de cada um e todos os profissionais da enfermagem dos municípios do estado. Pois no âmbito local é mais fácil de resolver a questão, no momento.

Exerçamos em outubro o voto em reconhecimento às justas causas como a do Coren/MS e outras. Cobremos depois os eleitos com o direito da cidadania. Assim, confiante lhes dou bom dia, o meu bom dia pra vocês.

(*) Ruy Sant’Anna é advogado e jornalista.

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions