A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

22/06/2015 14:09

Escola e Sociedade Digital: um diálogo possível?

Por Lilian Gramorelli (*)

Vivemos em tempos de mudanças na organização social, nas relações interpessoais e nas formas de gerenciar socialmente o conhecimento. As novas tecnologias da informação e seu conhecimento (TIC) já estão dentro das salas de aula e suscitam novas formas de desenvolvimento do processo ensino e aprendizagem.

Porém, a simples presença das TIC na educação não garante uma prática pedagógica que atenda às demandas do século XXI. Por esse motivo, o papel do professor é de suma importância na construção de novos conhecimentos, pois, mais do que nunca, as informações estão disponíveis na teia (web) e será necessário auxiliar os alunos a lidar com elas, transformando-as em conhecimento e aprendizagem.

Nesse contexto, novas competências são suscitadas e tocam tanto a formação inicial dos professores quanto a contínua. Por meio dos atuais recursos digitais, os alunos, com o auxílio desse outro modelo de professor, podem se transformar em produtores de conteúdos, ampliando a possibilidade de interatividade com o conhecimento e tornando sua participação ativa no processo de construção de significados.

Na sociedade da informação, de acordo com César Coll e Carlos Monero, da aprendizagem e do conhecimento, o papel mais importante do professor em ambientes virtuais é o de mediador, entendido como alguém que proporciona auxílios educacionais ajustados à atividade construtiva dos alunos, utilizando as TIC para tanto.

A especialista em Marketing Digital Martha Gabriel revelou na palestra do 1º Congresso de Educação Digital (evento promovido pela Fecomércio), que 73% dos jovens não conseguem estudar sem a tecnologia digital. Podemos utilizar, portanto, a internet como ferramenta de expressão humana. Trata-se de um fenômeno contemporâneo que a escola deve incorporar na prática pedagógica.

Partindo desses pressupostos, o Colégio Marista Arquidiocesano adotou em 2015 o livro digital em quatro componentes curriculares (Geografia, História, Língua Portuguesa e Ciências), manteve o uso da plataforma digital, este ano com a Blackboard. Ao adotarmos o livro digital, além da facilidade que ele proporciona para trabalhar com vídeos e imagens, temos acesso a um rol de objetos digitais que ampliam as possibilidades dos professores e alunos em aula.

Para ampliar o debate, o Arquidiocesano promoverá o I Simpósio Marista de Tecnologia, Educação e Linguagem nos dias 25 e 26 de setembro, tendo como objetivos: problematizar e atualizar as reflexões, representações e interpretações quanto à relação entre Tecnologia, Educação e Linguagem; socializar práticas educacionais, produzindo diálogos entre Tecnologia, Ensino e Conhecimento e discutir práticas solidárias e sustentáveis das tecnologias, nos processos interativos de ensino-aprendizagem.

Afinal, é nosso intuito fomentar o diálogo entre escola e sociedade digital...

(*) Lilian Gramorelli, coordenadora psicopedagógica do Colégio Marista Arquidiocesano, da Rede de Colégios do Grupo Marista.

Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
Sonho, urgência e economia verde
Vivemos uma utopia. A ideia de que as utopias acabaram é falsa. Quem está imerso nessa fantasia não percebe, mas vivemos a utopia da técnica e do con...
Acordo com a União Europeia: bem-estar animal em evidência
O Acordo comercial do Mercosul com a União Europeia tem causado bastante interesse de alguns e preocupação de outros. Uma certeza: para atingirmos es...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions