A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

18/02/2015 13:43

Hungria: lei proíbe comércio aos domingos

Por Carlos Eduardo Schaffer (*)

Pode ter passado despercebida ao público brasileiro, mas tem criado grande polêmica na Hungria a lei recentemente aprovada pelo governo de Viktor Orbán proibindo em todo o país, a partir de 1° de março de 2015, a abertura do comercio aos domingos.

Proposta pelos Cristãos Democratas, partido minoritário do primeiro ministro na sua coalizão com Fidesz, a lei foi descrita no site do governo como um meio para assegurar que as compras “não encurtem o tempo em que as famílias passam reunidas”.

Haverá algumas exceções. Pequenos comércios como farmácias, tabacarias, feiras e mercados em bases militares poderão abrir nesse dia. As padarias só poderão fazê-lo até às 17 horas. E os comércios em aeroportos e estações de trem, até às 22.

Também poderão abrir os comércios nos quais 20% dos empregados sejam membros da família do proprietário. Outra exceção é feita para o Advento, durante o qual o comerciante deverá pagar impostos extras para abrir nos quatros domingos que antecedem o Natal.

Opositores dessa lei pediram um referendo, mas o Ministério da Economia se opôs à medida publicando um estudo, no qual mostra que apenas um quinto dos húngaros faz suas compras semanais aos domingos.

A Hungria tem dez milhões de habitantes, 37% dos quais se declaram católicos, enquanto 16% se consideram apenas “cristãos”.

O governo de Viktor Orbán inscreveu na Constituição, recentemente aprovada, que casamento só pode ser entre homem e mulher. A nova Carta também contém referências a Santo Estêvão, Rei da Hungria e à chamada Santa Coroa, símbolo do poder no país. Tais atitudes agradam não só setores religiosos, mas também setores seculares da população.

Numa época na qual em nome do laicismo de Estado se aprovam as maiores aberrações, é animador tomar conhecimento deste tipo de legislação. Nela, princípios católicos tradicionais sobrepõem-se aos interesses econômicos.

(*) Carlos Eduardo Schaffer é jornalista e colaborador da Abim

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions