A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 16 de Novembro de 2018

26/06/2014 14:06

Mais recursos federais para atingir as metas do novo PNE

Por Paulo Ziulkoski (*)

Depois de mais de três anos e meio de tramitação no Congresso Nacional, ontem foi sancionado pela Presidente da República o Plano Nacional de Educação (PNE) para os próximos dez anos.

As 20 metas do PNE tratam da expansão da oferta da educação, desde a creche até a pós-graduação, qualidade do ensino, valorização dos professores e melhoria da gestão do sistema educacional. Entretanto, a meta mais polêmica é que trata do financiamento da educação.

A meta 20 da lei sancionada prevê ampliar o investimento público em educação pública para atingir 7% no 5º ano de vigência (2019) e 10% do PIB ao final da vigência do PNE (2024). Ao mesmo tempo, o § 4º do art. 5º da Lei do PNE, permite que esse investimento público englobe recursos federais como os destinados ao ProUni e Pronatec, assim como recursos estaduais e municipais (inclusive do Fundeb) aplicados em instituições de educação infantil e educação especial conveniadas com o poder público.

Segundo o MEC, em 2012 o investimento público direto em educação foi de 5,5% e o investimento público total foi de 6,4%. Portanto, o primeiro desafio será passar dos atuais 6,4% para 7% do PIB até 2019. Difícil, mas não impossível. Aliás, 7% do PIB para a educação era a proposta do governo federal no projeto de lei original do PNE, enviado pelo ex-presidente Lula ao Congresso em dezembro de 2010.

Em 2014, 6,4% do PIB equivalem a R$ 338,6 bilhões e 7% a R$ 370,3 bilhões. A diferença é de R$ 31 bilhões. Portanto, atingir os 7% do PIB no 5º ano do novo PNE já pressupõe aporte significativo de novos recursos para a educação. Mas o maior desafio será sair de 7% em 2019 para 10% em 2024. Somente o aporte de novos recursos oriundos os royalties poderá viabilizar o cumprimento dessa meta do novo Plano.

Porém, o problema é que a Lei não determina a responsabilidade de cada ente federado nessa elevação do investimento público em educação. Os Municípios alertam que a meta do financiamento no novo Plano não será atingida sem mais recursos federais para a educação, em especial para a educação básica. Em 2011, a União participou apenas com 15% dos investimentos em educação básica. Essa participação tem que ser maior, sob pena do PNE não sair do papel.

Para fazer valer as metas quantitativas e qualitativas do Plano, o governo federal deverá, por exemplo, ampliar a complementação da União ao Fundeb e assegurar atualização anual pela inflação dos valores dos programas federais para a educação básica, como merenda, transporte escolar e dinheiro direto na escola. Sem recursos federais para aumentar o valor por aluno/ano do Fundeb para a creche, será difícil, senão impossível, cumprir a meta 1 do Plano que prevê ampliar as vagas nas creches para atender no mínimo 50% das crianças de até 3 anos até 2024.

Lembre-se que essa meta já constava no 1º PNE, e a taxa de matrícula na creche era de 9,4% em 2000 e chegou a 23,6% em 2010, mas muito longe da meta de 50%. No país, são hoje 2,7 milhões de matrículas na creche e deverão ser mais 3 milhões até 2024. No MS, mais 27 mil matrículas. Além do que não basta a matrícula, é preciso assegurar qualidade da educação infantil.

Em relação ao magistério, o PNE contempla meta para equiparar o rendimento médio dos professores da educação básica pública ao dos demais profissionais com escolaridade equivalente, até o final do 6º ano de vigência do PNE. Hoje o rendimento médio dos professores com formação superior é 37,5% menor do que o dos demais com a mesma formação. Entretanto, entre 2009 e 2013 a União sequer cumpriu a Lei do piso nacional do magistério quanto ao repasse de recursos federais para integralizar o pagamento do piso aos entes federados que não tenham recursos próprios suficientes para isso.

Por fim, o governo federal levou cerca de um ano para elaborar o projeto de lei do PNE o Congresso Nacional, três anos e meio para aprová-lo, mas agora os Municípios e Estados terão prazo de um ano, a contar da data da sanção, para aprovar seus planos de educação. Sem contar que o PNE foi sancionado no meio da Copa do Mundo e a pouco mais de três meses das eleições gerais no país. Algo parece já ter começado meio que fora do lugar...

(*) Paulo Ziulkoski é presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions