A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019

01/08/2012 14:01

Nossa fauna está acuada, por Laerte Tetila

Por Laerte Tetila (*)

Mal chegou o período seco do ano e já se vêem os estragos das queimadas por toda a parte. E nada mais desolador saber que, em nosso Estado, milhares de animais silvestres, novamente, serão queimados vivos na estiagem que se avizinha.

É triste saber que no território sul-mato-grossense que, no passado, notabilizou-se pela sua belíssima e encantadora fauna, as dificuldades têm sido enormes, na atualidade, para se conviver, harmonicamente, com o que sobrou dela. Nossa fauna está acuada.

As queimadas têm avançado impiedosamente sobre os nichos ecológicos e os impactos têm sido cruéis. São queimadas formações arbóreas, arbustivas e herbácias e até áreas de proteção. O uso indiscriminado do fogo na zona rural tornou-se algo sério. E o nosso Estado, infelizmente, já responde por 20% das queimadas do país. Isso é o dobro das regiões Sul e Sudeste.

O número de incêndios rurais em Mato Grosso do Sul, registrados até março deste ano, chegou a 436 – ou seja, o dobro do mesmo período do ano passado. As cenas das queimadas são as de um holocausto. O fogo, potente faunicida, martiriza a terra. Seu efeito é deletério, devastador.

Destroi ninhadas, mata filhotes no nascedouro e fere mortalmente todas as formas de vida. Numa queimada, a temperatura pode ir além dos 800 graus centígrados e as chamas deixam marcas dolorosas. Os animais são queimados vivos, quando não lesionados ou intoxicados.

Parte deles é volatizada, sem deixar o mínimo vestígio. Os lesionados fogem, sem rumo, para morrerem infectados. Os sobreviventes, expulsos de seu habitat, enfrentam, em lugares estranhos, a falta de alimento e os ataques dos predadores. O impacto é cruel. O uso do fogo, que faz agonizar a fauna e destroi a biodiversidade, é uma técnica nociva, ultrapassada, da Era Neolítica.

E não obstante as queimadas estarem enquadradas como crime ambiental (Lei 9.605/98), e também pesquisas demonstrarem que há técnicas bem mais avançadas do que o fogo para melhorar a produtividade, mesmo assim ainda há os arcaicos, aqueles que ateiam fogo sem a mínima compaixão para com os animais.

As queimadas que são tidas universalmente como uma das grandes responsáveis pela extinção das espécies, parece ter chegado ao seu apogeu em terras sul-mato-grossenses. Por aqui, a destruição dos ambientes naturais é inacreditável. As queimadas continuam ceifando bandos de animais indefesos, apesar de todo ensinamento disponível e de todas as campanhas de conscientização.

Não querem entender que a natureza foi divinamente planejada e que os animais que ardem em chamas são resultantes de uma evolução orgânica milenar; que, embora o ser humano tenha chegado à Lua, jamais fabricará um tuiuiú, um lobo guará, uma arara azul ou um pássaro canoro; que não se reconstroi um material genético perdido pela extinção.

Não querem entender que, na natureza, a perda de uma espécie significa uma subtração na engrenagem da vida. Isto é: uma perda eterna para a biodiversidade. Entristece-nos saber que a riquíssima fauna silvestre sul-mato-grossense vem sendo dizimada e, principalmente, pelo fogo, que provoca a mais cruel das mortes. Há que se pensar em mudanças. E nem tanto pelas leis, mas pelas mentes e corações.

Não é possível que, em pleno Terceiro Milênio, o fogo ainda continue sendo utilizado como técnica agropastoril. Impossível que não haja uma compaixão pelo pouco da vida silvestre que ainda resta em nossos campos, matas e pantanais.

(*) Laerte Tetila é mestre em geografia física pela USP, deputado estadual (PT) e membro da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul.

As lições a serem aprendidas com o lago do Parque das Nações Indígenas
“Nesta terra molhada”, após 5 meses com inúmeras iniciativas, do governo e sociedade, o lago artificial do Parque das Nações está voltando a produzir...
Gestão pública é o caminho contra a corrupção
A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974. Ou seja, esse mal é algo comum e enraizad...
A virtude da temperança
Não haverá Paz duradoura enquanto prevalecerem privilégios injustificáveis, que desonram a condição humana, pela ausência de Solidariedade, que deve ...
MS: Um novo salto de desenvolvimento
A história de Mato Grosso do Sul não é uma linha reta. Ela vem sendo escrita, no curso do tempo, por diferentes protagonistas, por meio de um caminho...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions