A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

26/08/2017 11:38

O Homem de Miranda

Por Heitor Freire (*)

No dia 22 de agosto, terça-feira, faleceu Pedro Pedrossian. O homem que deixa um legado inesquecível.

Pedrossian era um líder incontestável. Foi o maior forjador de lideranças políticas em nosso estado: Levy Dias, Marcelo Miranda, João Leite Schimidt, Waldomiro Gonçalves, José Elias Moreira, Antonio Carlos Arroyo e tantos outros, são crias de Pedrossian. É interessante que quando esses liderados adquiriam luz própria e poderiam fazer-lhe sombra, eram afastados naturalmente.

Governou o Estado de Mato Grosso de 1965 a 1970, sendo eleito aos 36 anos o governador mais novo no Brasil, naquela época. Mato Grosso do Sul, governou de 1980 a 1983 e de 1990 a 1994. Deixou marcas indeléveis nos dois Estados. Gerações incontáveis de estudantes devem a ele a oportunidade de cursar cursos superiores sem mudar de estado.

Fiz parte de seu segundo governo como responsável pela Comunicação Social, de 1980 a 1983. Ali convivi de perto com ele. Pude testemunhar sua grande capacidade de trabalho e criatividade. Era um madrugador. Acordava bem cedo e logo convocava seus secretários para o trabalho. Naquela época era por telefone mesmo. Não havia celular.

Na nossa secretaria tivemos o concurso de profissionais do maior gabarito. Na redação: Oscar Ramos Gaspar (depois secretário de comunicação no terceiro governo Pedrossian, 1990-94), Henrique Alberto de Medeiros (recém eleito presidente da Academia Sul-Mato-grossense de Letras), Sílvio Andrade (correspondente dos maiores órgãos de imprensa do país), Lucimar Couto (diretor do site Campogrande News). Na fotografia, Roberto Higa e Valmirar Gomes. No som, José Omar Haddad; na produção, José Roberto Moura Alves e nas finanças Iran Coelho das Neves (hoje conselheiro do Tribunal de Contas). Wilson Souza Fontoura (hoje forte empresário no ramo imobiliário) foi um companheiro constante e leal.

Com Aluízio Lessa Coelho, Oscar Ramos Gaspar e Raul Longo Tubino, fundamos um jornal que teve vida efêmera: Presença. Depois, com Henrique Medeiros e Sílvio Andrade, tivemos uma segunda aventura: criamos o jornal Arquibancada, voltado para os esportes – em linha direta com O Estado de S. Paulo, publicávamos toda segunda-feira informando sobre o futebol de domingo.

Era um trabalho feito com muita alegria e dedicação. Por falta de recursos, infelizmente não vingou.

Essa equipe trabalhava sob a inspiração do nosso governador Pedrossian, que com seu exemplo estimulava a todos nós. Uma figura marcante daquela época foi o professor João Vieira, assessor permanente do governador, dono de uma cultura invejável e muita simplicidade. Todos orbitávamos em torno dele. O Joãozinho está vivo e ainda hoje nos comunicamos por email.

Mas, falar em Pedrossian sem mencionar dona Maria Aparecida seria injusto. Ela, um paradigma como primeira-dama (até hoje nenhuma entendeu verdadeiramente o papel que lhes cabe. Ela sabia muito bem exercer sua função). Linda, majestosa no porte e simples na ação. Foi a grande inspiradora do marido.

Maria Aparecida Pedrossian sempre teve um olhar voltado para a população carente. Foi a mentora da criação do Hospital Universitário, que leva o seu nome (hoje injustamente ignorado quando se referem ao hospital). Ela foi também a grande madrinha da Santa Casa – a UTI daquele hospital tem o seu nome, e na solenidade de centenário do hospital prestaram-lhe uma merecida homenagem.

O feito que mais comove o coração de dona Maria Aparecida foi ter insistido na criação do Hospital de Câncer Alfredo Abrão. Criou também um programa de distribuição de alimentos para a população mais pobre. Um jornalista, na época, pejorativamente deu-lhe o apelido de “Maria Panelão”, que ela com simplicidade e nenhum constrangimento aceitou e assumiu porque entendia bem o sentido de seu trabalho.

Foi ela que com sua atenção voltada para o social humanizou o grande governo do marido. O governador Pedrossian, voltado para as grandes obras, era sempre cobrado por ela para a assistência social.

Pedrossian marcou sua trajetória política com obras perenes. Durante seu primeiro mandato em Mato Grosso do Sul, ao se dar conta de que a capital não contava com local apropriado para sediar os órgãos da administração pública, recebeu a sugestão de construir um espigão com 33 andares.

Mas o governador pensou melhor e voltou seu olhar para o entorno de Campo Grande, e descobriu uma área com mais de 400 hectares, onde decidiu criar o Parque dos Poderes.

Para esse empreendimento, com o pensamento voltado para nossa gente, convocou arquitetos de todo o Estado para elaborarem o projeto das diversas secretarias, do Tribunal de Justiça, da Assembleia Legislativa, do Tribunal de Contas, enfim, de todo o complexo administrativo. Foi, sem dúvida, uma de suas maiores realizações.

Não podemos deixar de lembrar também do estádio Pedro Pedrossian (Morenão), do ginásio de esportes Avelino dos Reis (Guanandizão) e dos conjuntos habitacionais Estrela do Sul, Aero Rancho, Moreninhas e Maria Aparecida Pedrossian.

Na área da saúde, construiu o Hospital Regional Rosa Pedrossian; e na área da cultura, o Palácio Popular da Cultura, depois denominado Arquiteto Rubens Gil de Camillo.

No campo da educação, plantou universidades em Mato Grosso e em Mato Grosso do Sul. Foi o maior prefeito de Campo Grande, abrindo largas avenidas que propiciaram um fluxo tranquilo de trânsito em todas as saídas da cidade.

O maior presente que ele deixou para nossa cidade foi o Parque das Nações Indígenas, o cartão postal da capital, o nosso Central Park.

Hoje, certamente, como maçom, ele está compondo o quadro de obreiros do Grande Arquiteto do Universo para colaborar com Sua obra.

A você, governador Pedro Pedrossian, a nossa eterna gratidão.

(*) Heitor Rodrigues Freire – Corretor de imóveis e advogado.

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions