A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

27/11/2013 17:52

O que MS tem em comum com as Ilhas Maurício?

Por Leonardo Avelino Duarte (*)

Foi noticiado recentemente que São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais concentram mais de 50% do produto interno bruto nacional. Se acrescentarmos a este grupo os estados do Rio Grande do Sul e do Paraná, teremos cerca de 65% do PIB nacional. Isso demonstra que o desenvolvimento industrial e econômico no Brasil é bastante desigual, e fortemente concentrado na região sudeste e sul.

Neste quadro, Mato Grosso do Sul, com cerca de dois milhões e quinhentos mil habitantes, contribui com 1,2% do produto interno bruto nacional, ocupando a 17ª no ranking nacional. Para comparar, se o Estado do Pantanal fosse um país, teria o tamanho da economia de Guiné Equatorial, país da África Oriental. Embora lidere a produção de alguns produtos agropecuários, como carne e soja, Mato Grosso do Sul não pode ser considerado, nacionalmente, um grande gerador de riquezas.

Embora importante, o produto interno bruto de uma localidade não é, nem de longe, o principal dado estatístico-geográfico de uma região, e certamente não é o dado que deve orientar as políticas governamentais. Mais importante é o produto interno bruto per capita, que revela a riqueza média de cada cidadão, e o Índice de Desenvolvimento Humano, IDH, que aufere a escolaridade, renda e a expectativa de vida das pessoas, e hoje é considerado o principal índice estatístico à disposição dos governos para a elaboração de políticas governamentais.

Nestes dois índices, MS vai bem melhor. O produto interno bruto per capita do nosso Estado é o 7º do País, distante do campeão, que é o Distrito Federal. Contudo, é bem melhor do que o da média nacional. Caso comparado com um país, o PIB per capita de Mato Grosso do Sul é semelhante ao das ilhas Maurício.

No Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), estamos em 10o lugar. Nacionalmente, Campo Grande ocupa o 100º lugar entre as cidades brasileiras, a melhor posição do Estado, sendo seguida, no Estado, por Chapadão do Sul.

O IDH pode ser melhorado a partir da prestação de serviços básicos pelo Poder Público, principalmente quanto à educação. Uma cidade que conte com professores e médicos, além da uma estrutura estatal para segurança dos cidadãos, com a tríade juiz-promotor-delegado, dificilmente terá um IDH baixo. Infelizmente, nem todas as cidades sul-mato-grossenses possuem médicos ou professores suficientes, e muitas não tem juízes ou delegados. São justamente as cidades com pior IDH.

A simples presença de um juiz, por exemplo, gera aumento de renda e de desenvolvimento para pequenas cidades, por meio de uma maior possibilidade de atender quem busca a justiça, além dos demais benefícios sociais que a instalação de uma comarca traz. Outro item que faz muita diferença no IDH é a presença do médico. De fato, a simples presença de um médico para receitar remédios aumenta o IDH de uma localidade, ainda que não exista, no local, um hospital ou posto de saúde.

Quanto à educação, a receita do feijão com arroz: salários razoáveis e ensino tradicional, sendo indubitável que é mais importante o nível e a motivação dos professores do que a infraestrutura de ensino presente.

Assim, com medidas simples, podemos contribuir para a melhoria do IDH de nosso Estado, o melhor e mais bonito dos Matos Grossos.

(*) Leonardo Avelino Duarte, advogado e professor universitário

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions