A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

24/12/2012 10:37

O último Natal no Brasil

Por Reginaldo de Souza Silva (*)

Todo jovem deste imenso país chamado Brasil tem sonhos, dificuldades e, acima de tudo, fé e esperança. Se outrora éramos o país do futuro, hoje somos a quinta economia mundial. E nesse percurso desenvolvimentista, a luta para esperar o “bolo crescer para dividir” levou milhares de crianças e de adolescentes para as ruas (meninos de/na rua), abandonados, drogaditos, marginalizados, em situação de risco pessoal e social. Agora somos a “bola da vez”: copa das confederações, campeonato mundial, olimpíadas...

Entretanto, nos vários Brasis existentes no Brasil, a situação da criança e do adolescente não tem melhorado. Pelo contrário, O cenário é de extrema vulnerabilidade para jovens expostos a uma maior incidência de mortes precoces e violentas.

Segundo o Índice de Homicídios na Adolescência (IHA), três adolescentes a cada grupo de mil morrem antes de completar 19 anos. A taxa cresceu 14% entre 2009 e 2010. A estimativa é a de que, se não houver queda no índice nos próximos anos, 36.735 jovens de 12 a 18 anos sejam mortos, possivelmente por arma de fogo, até 2016! O homicídio, portanto, é a principal causa de morte dos adolescentes e equivale a 45,2% do total de óbitos nessa faixa etária. Esse dado inclui mortes em conflito com a polícia, conhecidas como auto de resistência.

Realizado em 283 municípios com mais de 100 mil habitantes, o IHA mais alto está concentrado nos estados de Alagoas (9,07), Bahia (7,86) e Espírito Santo (6,54), que também estavam no topo do ranking em 2009. O menor índice foi identificado em São Paulo (0,94), cuja capital também é a menos letal para adolescentes. O município mais violento é Itabuna (BA), que registra 10,59 homicídios em cada grupo de mil jovens. Em seguida vêm Maceió, com 10,15, Serra (ES), com 8,92 e Ananindeua (PA) com 8,89.

Na Bahia, os municípios de Salvador (8,76), Feira de Santana (8,39) e Vitória da Conquista ocupam respectivamente os quinto, sexto e sétimo lugares nesse ranking. Vivendo apenas de publicidade e viagens internacionais o desgoverno da Bahia parece não enxergar o caos instalado no estado.

Fatores como gênero e raça aumentam a possibilidade de um jovem ser morto. Em 2010, a chance de um adolescente do sexo masculino ser assassinado era 11,5 vezes maior que a de jovens do sexo feminino. Se o indivíduo for negro (preto ou pardo), então, a possibilidade aumenta quase três vezes em relação ao branco. Até quando nos calaremos diante desse quadro calamitoso? A cada vida jovem que perdemos, uma geração inteira é afetada. Temos clareza disso?

Nesta época natalina, na qual celebramos a Vida, conclamo a que procuremos cumprir aquilo que Nosso Senhor Jesus Cristo afirma: “Eu vim para que todos tenham vida e a tenham plenamente”. O Natal só terá sentido quando a vida em abundancia possa ser garantida a todo(a)s.

Neste Natal coloque em seu coração a missão de reduzir o índice de assassinatos de adolescentes com medidas de combate à violência letal; o controle de armas de fogo e munição; a instauração de politicas públicas de esporte, lazer, cultura e de empregabilidade; a educação de qualidade; moradia, e acima de tudo, respeito. Lembre-se: a probabilidade de um jovem ser morto com revólver ou pistola é seis vezes maior do que a de ser morto por qualquer outro meio. Com esse índice você poderia dizer que o seu filho, sobrinho ou neto está seguro?

Às milhares de famílias brasileiras, especialmente as baianas, que perderam seus jovens filhos e a todo(a)s aquele(a)s que lutam por um mundo de paz, UM FELIZ NATAL na presença de nosso Senhor Jesus Cristo! E a todos os jovens, que este não seja o seu último natal na Bahia ou em qualquer outro estado deste imenso continente chamado Brasil.

(*)Reginaldo de Souza Silva é coordenador do Núcleo de Estudos da Criança e do Adolescente – NECA/UESB – reginaldoprof@yahoo.com.br

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions