A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

15/12/2011 14:38

Políticas públicas na área social

Por Júlio César Cardoso*

Em pronunciamento no Senado, 30/11/2011, Armando Monteiro (PTB-PE) apontou a falta de visão do Estado para atender à agenda das políticas públicas na área social: saúde, educação, segurança pública, previdência social e uma política de renda de boa qualidade para os cidadãos.

O problema do Brasil é de moralidade pública, onde a classe política e seus apaniguados, vergonhosamente, desfalcam demais o Erário, através de desvios de dinheiro dos contribuintes, que são usados para custear as suas mordomias, bem como para locupletar os seus bolsos com a miséria dos descamisados brasileiros, há muito tempo. Assim, o dinheiro que deveria estar sendo empregado na área social é malversado descaradamente.

O Brasil gasta demais com os privilégios dos políticos. O próprio senador pernambucano se utiliza das benesses públicas, que são muitas, mas ele e seus pares não têm a nobreza de apresentar propostas para combatê-las. Vejam, por exemplo, o que ocorre no Senado Federal: os senadores, ex-senadores e familiares gozam de sistema de saúde privado gratuito e perene, sem terem contribuído com um só centavo.

Trata-se de ilegalidade e imoralidade aos artigos 5º e 37 da Constituição Federal que revoltam qualquer cidadão, mas os senadores acham isso tudo normal e nada fazem para corrigir essas aberrações, que são custeadas pelos contribuintes nacionais, e depois se arvoram para falar em combate aos problemas sociais brasileiros. Se não fazem o dever de casa, cortando gastos imorais, que legitimidade eles têm para indicar soluções? Então, quando ouço o senador Armando Monteiro falar em agenda das políticas públicas na área social, tenho dificuldade de considerá-lo um político sério.

Se houvesse contenção dos gastos públicos com as benesses palacianas de Brasília, com as despesas para manter cada parlamentar federal no inchado e inoperante Congresso Nacional, com a extravagância de 81 senadores e 513 deputados, bem como adoção de medidas políticas sérias de combate à corrupção brasileira, incrustada nos ministérios e demais órgãos públicos, sobraria muito dinheiro para investimento em programas sociais, e nenhum descamisado morreria em filas do SUS.

Mas, infelizmente, não faz parte do objetivo principal do governo combater, com mão de ferro, a corrupção política brasileira, que subtrai o dinheiro do contribuinte necessário para atendimento das políticas públicas da área social.

(*) Júlio César Cardoso é bacharel em Direito e servidor fedral aposentado

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions