A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 23 de Março de 2017

06/12/2011 18:44

Queremos estar na Série A

Por Marco Antonio Tavares*

Chegou ao final o Brasileirão da série A e nos bate uma melancolia que nos reporta aos anos 77, quando o galo da bandeirante (Operário Futebol Clube) estava nessa galera mostrada ao vivo pela TV, a milhões de brasileiros e porque não, a estrangeiros (tomara que tenha passado na Argentina).

Naquela época, ainda garoto, ia com meu pai e meus irmãos ao Morenão gritar nomes como: Castilho, Manga, Artuzinho, Pastorial, Marião, Everaldo e outros. Como era bom ter o poder, a certeza, a razão de ver o Operário surrar equipes como Palmeira, Fluminense, Vasco, São Paulo (ops, esse fomos roubados).

Hoje, todos querem ver Mato Grosso do Sul nesse cenário mágico da Série A, onde apenas 20 valorosos guerreiros bebem dessa água pura de prazer. Eu digo todos, porque também me incluo nesse universo de pessoas, que querem ver novamente o Morenão lotado de torcedores, torrrrcenndoooo por um time nosso, pantaneiro mesmo.

Aí, começo a comparar as épocas e as condições para que essa visão do Olimpo se realize. Começo pelo Estádio Pedro Pedrossian, onde o gramado era um tapete verde maravilhoso, cuidado pelo saudoso Major Maravieski, que tratava daquele campo de jogo de 105x75m como se fosse o gramado de sua casa, regado no inicio da manhã e ao final da tarde (naquela época não se fazia shows).

Vem-me a mente os jogadores Manga e Artuzinho que eram nomes nacionais, que vinham aqui sabendo que receberiam os seus enormes salários. Aí pergunto ao meu pai, naquela época, empresário do ramo de couros, como se pagava esses salários? Fácil, me responde, havia 100 empresários que doavam R$ 4.000,00 (naquela época 4 milhões de reais novos ou velho, nem sei mais) todo mês, rigorosamente. E outros doavam mais. Era paixão.

Hoje, um atacante do América Mineiro (rebaixado) tem salários de R$ 200.000,00. Quanto seria a folha do Sport Club Corinthians (campeão). E pasmem, o Atlético Paranaense caiu para a Série B. Clube com uma das melhores estruturas do futebol brasileiro (categorias de base para dar inveja a muitos clubes europeus) e patrocínio de uma multinacional russa KYONCERA.

Projeto então uma equipe pantaneira na Série A. Vamos começar disputando a Série D, onde, segundo uma consultoria esportiva, é necessário um investimento de R$ 600.000,00 mensais. Entre apresentação de jogadores a final, lá se vão 6 meses e três milhões e seiscentos mil reais de investimento.

Estamos na Série C, todo mundo empolgado e reunimos entre amigos uns 8 milhões para chegarmos a final dessa 3ª divisão. Festa na Afonso Pena, carreata com carro de bombeiros para os jogadores, etc. Estamos na Série B – 2ª divisão do Brasileirão.

O ano é 2014. Copa do Mundo no Brasil. Todas as competições adiadas para o 2º semestre, melhor, temos tempo de arrumar a casa. Precisamos correr, construir um CT (é isso aí, Centro de Treinamento) com muitos campos, refeitório, hotel para concentração, CEFIS.......dinheiro, precisamos de dinheiro. Só uns 30 milhões (o orçamento do Corinthians para 2012 é de R$ 100.000.000,00). Mas tudo bem, somos brasileiros não desistimos nunca. Só falta esse pulinho.

2015. Estamos na elite do futebol brasileiro. Sonho de um povo que um dia viveu essa glória em ser o 3º melhor clube do Brasil, lugar conquistado no Estádio Morumbi, diante do poderoso São Paulo Futebol Clube. Olho para traz e lembro-me das dificuldades, as viagens, as concentrações, o choro, as vaias, treinamento, concentração, mais viagens, 90 milhões de reais.....QUANTO????... 90 MILHÕES. Volto a sonhar.

(*) Marco Antonio Tavares é professor de Educação Física, mestre em Educação e vice-presidente da FFMS

A diferença entre a vida e a morte na BR-163 em MS
Em casos de acidente com trauma, a diferença entre a vida e a morte pode estar na rapidez do atendimento às vítimas e na eficácia dos procedimentos d...
A carne que trabalha
A deflagração da chamada “Operação Carne Fraca”, no último fim de semana, tornou conhecidas do público em geral práticas mercadológicas adotadas pelo...
Gestão sustentável das águas: um desafio a ser conquistado!
Distante da atenção midiática, a urgência ambiental no cuidado com as águas passa quase despercebida. No dia 22 de março, quando comemoramos o Dia Mu...
Mensagem interessante
Nestes tempos em que somos bombardeados por notícias de mal-feitos por todo lado, diariamente, de todas as atividades, em que reputações são desmonta...



E lembrar que o Atlético-GO citado pelo Jean, em 2008 empatou aqui com o Operário por 0 a 0 somente porque o Operário não tinha atacante de verdade (Zé Afonso, sic!).
E de lá pra cá o Dragão subiu de divisão por divisão com uma folha limitada e realista.
Mas dias melhores virão...
 
Antônio Marcos Alencar em 07/12/2011 03:13:44
Legal o artigo, missão impossível total!!
 
Flavio Freitas em 06/12/2011 11:19:59
O maior culpado disso tudo se chama Cezário, senhor Tavares. 90 milhões é um valor supervalorizado. Temos o maior exemplo; Atlético-GO. Qual a folha deles, sr Tavares? Tem toda estrutura de time grande.
Culpar torcida, "futebol caro", etc é fácil. Reconhecer os erros e buscar melhorar que é díficil.
Força Delcídio.
 
Jean K. Santos em 06/12/2011 07:28:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions