A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

13/03/2017 15:49

Sabedoria universal

Por Heitor Freire (*)

É impressionante o que acontece quando começamos a pesquisar e a estudar as civilizações que ao longo dos tempos se sucederam em todos os quadrantes do nosso planeta: constatamos que a Ordem Maior se fez sempre presente, determinando a encarnação de seres superiores para orientar e disciplinar o comportamento dos seres humanos em cada lugar.

Assim foi na Índia com Buda, na China com Lao-tsé e Confúcio, na Grécia com Sócrates e Platão, na Judéia com Jesus, na Arábia com Maomé, etc. E assim também com os índios americanos, com os astecas, maias, incas, com os xamãs que implantaram ensinamentos de ordem superior, como por exemplo, no Havaí com o Ho’oponopono, fruto do trabalho remanescente da civilização Mu.

E toda a orientação com base num único princípio: Conhece-te a ti mesmo e ama-te a ti e ao próximo como a ti mesmo. Porque na realidade somos todos seres divinos. Todos, todos nós somos filhos de Deus. O fato de uma grande maioria desconhecer essa verdade básica não a torna irreal. O fruto é produto da semente. O mal é SEMPRE a semente do bem. Tudo o que nos acontece é para melhorar a nossa vida.

Os Lakota, índios norte-americanos, ficaram conhecidos como o povo dos xamãs. Para os lakotas cada ser e cada elemento da natureza é sagrado e tudo está interligado numa grande teia cósmica. Os lakotas uniram-se aos sioux e a outras tribos menores, formando a Grande Nação Sioux para combater os brancos invasores.

Através da beleza da entrega e do amor incondicional, o Grande Espírito coloca em nosso caminho as bênçãos de receber e compartilhar informações verdadeiras e embasadas no profundo conhecimento das culturas ancestrais espalhadas pelo mundo e pelo tempo, que compartilhamos com todos aqui neste espaço sagrado, por saber que o “Tempo das Nuvens Negras” chegou ao fim e a luz da informação e do conhecimento nativo verdadeiro deve ser transmitido com urgência a todos os buscadores da luz.(*)

Como diz Hotashugmanitu Tanka (*): “Estamos aqui para semear e compartilhar, fazendo brilhar a Roda do Arco Íris neste início do Tempo do Búfalo Branco, trazendo a consciência da totalidade, a paz e a serenidade para os irmãos de todas as cores”.(*)

Alondra Amarilla, chefe lakota, assim pronunciava a sua oração:

Gran Espíritu, cuya voz escucho en los vientos, y cuyo respiro le da vida a todo el mundo, ¡escúchame!

Soy el más pequeño y débil de tus hijos, y necesito tu fuerza y sabiduría.

Déjame caminar en la Belleza, y haz que mis ojos siempre contemplen la roja y púrpura puesta de sol que has creado, conmigo.

Haz que mis manos respeten las cosas que has hecho y agudiza mis oídos para escuchar tus palabras y tu voz.
Déjame aprender las lecciones que has escondido bajo cada hoja y roca.

Busco fortaleza, no para ser mejor que mi hermano, sino para luchar contra mi mayor enemigo -Yo mismo.
Hazme siempre estar listo para ir hacia ti con manos limpias y mirada clara, para que, cuando mi vida se marchite, como la puesta de sol apagándose, mi espíritu pueda ir hacia ti sin pudor.

Fico encantado ao perceber a profunda sabedoria universal que se manifesta em todos os quadrantes do nosso planeta, e nesta oração do chefe Alondra Amarilla em especial, identifico no trecho que reproduzo abaixo o seu entendimento a respeito da criança interior:

“Déjame caminar en la Belleza, y haz que mis ojos siempre contemplen la roja y púrpura puesta de sol que has creado, conmigo”.
Pois que quando cada um de nós foi criado, recebemos uma dádiva única e fundamental: a nossa criança interior, que é o sol interior que cada um deve identificar e conquistar como a verdadeira realização para a nossa evolução.

“Em todo adulto espreita uma criança – uma criança eterna, algo que está sempre vindo a ser, que nunca está completa e que solicita cuidado, atenção e educação incessantes. Essa é a parte da personalidade humana que quer desenvolver-se e tornar-se completa” (Jung, O Desenvolvimento da Personalidade, p. 175).
Salve, chefe Alondra Amarilla!

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions