A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

30/10/2017 18:29

Um presente para Campo Grande

Por Heitor Freire

Campo Grande, sem dúvida, é uma cidade abençoada por Deus. Desde o princípio, com algumas exceções, foi agraciada com administradores capazes, dedicados, competentes e com espírito público elevado que tiveram como objetivo o crescimento e desenvolvimento organizado da cidade.

Dentre estes, destaco hoje Juvêncio César da Fonseca (prefeito eleito por dois mandatos), que soube cercar-se de auxiliares também do mesmo jaez. Um exemplo é José Marcos da Fonseca, então um jovem arquiteto
cheio de ideias e de ideal elevado. Foi na sua primeira administração que Juvêncio criou a Planurb, hoje Agência de Planejamento Urbano, que ao longo do tempo tanto tem contribuído para o desenvolvimento da nossa Capital.

Também naquela época, em março de 1987, criou o CMDU – Conselho Municipal de Desenvolvimento e Urbanização, órgão que possibilita a participação da sociedade civil nas discussões referentes à política de desenvolvimento da cidade, debatendo, avaliando, propondo e fiscalizando projetos e as questões de gestão do solo, habitação,
saneamento ambiental, transporte e mobilidade urbana. Os integrantes do CMDU exercem um trabalho voluntário, sem remuneração.

Eu fiz parte do primeiro colegiado nomeado há trinta anos, como presidente da Câmara de Valores Imobiliários. E há onze anos voltei a integrar o quadro de conselheiros, permanecendo até hoje.

Nessa qualidade, acompanhei toda a discussão que culminou com a aprovação, pelo CMDU, da minuta do projeto de lei do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental, no último dia 25.

Esse trabalho que retomou a discussão do Plano Diretor, mal conduzida na gestão anterior, começou em fevereiro deste ano. Foram inúmeras reuniões de trabalho envolvendo o comitê de política urbana do CMDU e os técnicos da Planurb.

Foram horas e horas de trabalho, em que os membros do comitê (Adriana Tannus, Arlindo Murilo Diniz, Dary Werneck da Costa, Fagner Lira Bezerra, Geraldo Barbosa de Paiva, Kelly Cristina Hokama e Roberto Marcondes Filinto da Silva) deixaram seus interesses profissionais, pessoais e sociais de lado para dedicar-se inteiramente ao objetivo final, que foi atingido na reunião do dia 25. Esse projeto representa também o coroamento da capacidade técnica da SEMADUR e da PLANURB.

Por um dever de justiça e sentimento de gratidão, enaltecemos a dedicação da presidente da Planurb, Berenice Maria Jacob Domingues e sua equipe que, exaustivamente, se debruçaram sobre o projeto, realizando reuniões em todas as regiões da cidade, com várias entidades representativas de classe, como o SINDIMÓVEIS, CRECI, OAB, CAU, CREA, promovendo inúmeras audiências públicas, debatendo com a população, possibilitando assim uma radiografia da cidade que contemplasse os anseios dos habitantes da nossa capital, pois como se sabe, a vida acontece no município.

Entre as inovações do projeto, destaco: manutenção do perímetro urbano, valorização ambiental e cultural, política de incentivo à ocupação do solo, adensamento compatibilizado com a infraestrutura disponível, contemplação da área rural, criação do FMDU (Fundo Municipal de Desenvolvimento Urbano, para implementação das ações),
estabelecimentos de instrumentos de capacitação dos conselhos regionais e adequação e fortalecimento do CMDU.
Enalteço também a liderança de José Marcos da Fonseca (Secretário da Semadur) que, com seu jeito simples e humilde, liderou todas as ações, contribuindo com sua grande experiência para a conclusão do projeto. O Zé Marcos é o secretário municipal que mais tempo exerceu essa função até hoje.

O projeto, agora encaminhado para a Câmara Municipal, é sem dúvida um projeto de amor por Campo Grande e foi aprovado por aclamação pelo CMDU, no dia 25 de outubro, também dia de aniversário da presidente Berenice Domingues. E quem ganhou o presente foi Campo Grande.


(*)Heitor Rodrigues Freire é corretor de imóveis, advogado e conselheiro do CMDU.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions