A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

08/06/2016 08:50

Uma lei que valoriza o professor de bem e protege os alunos contra a doutrinação

Por Orley José da Silva (*)

Acompanho a tramitação do Projeto de Lei 8.242/16, de autoria do vereador Paulo Siufi (PMDB) que tem o objetivo de proteger crianças e adolescentes contra possíveis ações de doutrinação por parte de professores que afrontam o bom senso educacional. Esta lei, cuja proposta se espalha rapidamente pelas casas legislativas do país, seria desnecessária se não houvesse farto registro fotográfico, testemunhal, escrito e gravações em vídeo e áudio com ocorrências de claro desvio ético-profissional de alguns professores.

A escola é tida por essa parte de profissionais de educação como um campo de aliciamento de militantes para correntes político-partidárias, movimentos sociais e revolucionários. O ensino de conteúdos e o preparo para a vida cidadã e profissional importam menos do que a formação de quadros para a aventura de uma revolução política, mas que é também cultural. E quase sempre essa atitude implica em severa discordância com a visão de mundo do núcleo familiar do aluno. Não raramente, é possível observar fissuras no seio familiar geradas por esse tipo de invasão no campo da prerrogativa educacional.

Para atingir o seu objetivo, portanto, esse tipo de professor doutrinador adultera o sentido constitucional da escola e usurpa o direito intransferível dos pais quanto à formação moral, política, de costumes e religiosa dos filhos. Ousadamente, valem-se das brechas encontradas no sistema educacional de um país democrático, para aplicar arbitrariamente uma concepção de educação autoritária, onde os agentes educacionais, de maneira compulsória, ocupam o lugar de subjetivação filial que pertence somente a família.

Não é de estranhar a campanha difamatória e de desinformação, ambas de má fé, empreendida contra o referido projeto de lei por entidades sindicais ligadas aos professores secundaristas e também do ensino superior. Logicamente, essas organizações não representam todos os professores como inapropriadamente fazem questão de propagar. Certamente, há uma grande parcela (quiçá a maioria) de professores ligados a elas que discordam de suas práticas pelegas, corporativistas, político-partidárias, voltadas para interesses de grupos e enganosos na representação e na defesa das reais necessidades dos servidores em educação.

Os sindicatos se surpreenderão quando a indignação das vozes discordantes dentro da categoria educacional, incluindo servidores de educação e pais de alunos, começarem a ecoar contra os seus falseamentos e traições à causa. Um destes falseamentos e traições diz respeito à intelectualmente desonesta interpretação do PL em epígrafe. Atacam-no, não visando bem da educação, mas porque ele retira dos sindicatos, partidos políticos e movimentos sociais a possibilidade de continuarem promovendo a manipulação e a doutrinaçãodos alunos, de acordo os seus mais escusos propósitos.

Não li em nenhum lugar uma análise criteriosa e expositiva do projeto de lei por parte de seus oponentes. Encontrei esta análise em artigos publicados por professores que lhes são favoráveis. Mas os artigos são claros e autoexplicativos e se destacam pela consonância deles com o anseio da família e a coerência constitucional. Deve ser por isto que os críticos evitam citá-los textualmente. Como sempre em suas estratégias de desinformação, preferem os mantras decorados e repetidos à exaustão e o discurso panfletário, irresponsável e inverossímil. Dentre as falácias, a que deixaria de existir na escola temas filosóficos, sociológicos, políticos e do direito das mulheres. O que alguns professores praticam hoje é o discurso único e o projeto de lei visa justamente garantir aos alunos que o leque de discussão se amplie a fim de que o próprio estudante escolha para si as vertentes políticas e do pensamento.

Tomara que os vereadores de Campo Grande confirmem a aprovação desse projeto de lei, derrubando o veto do prefeito. Logicamente, esse documento contraria interesses arraigados develhos grupos corporativos que se beneficiam política e ideologicamente da desobediência de preceitos constitucionais, como a liberdade de consciência e crença dos alunos. Certamente, a pressão que exercem sobre o legislativo neste momento tem o objetivo de garantirem a continuidade de suas práticas imorais e ilegais.

Por outro lado, os senhores vereadores terão o apoio do povo e das famílias dos alunos. Ainda mais quando a verdadeira e justa versão sobre o projeto de lei ganhar às mentes das famílias. Até mesmo por uma questão de consciência e de responsabilidade política dos senhores para com o direito das famílias a que seus filhos sejam protegidos de abuso doutrinário por parte de alguns professores. Repito: alguns, porque essa não é a regra na escola. Há professores de bem que se aliam aos propósitos deste projeto de lei, mas eles não têm a mesma estrutura de organização, propaganda e de recursos financeiros de outros grupos para divulgarem suas ideias. Se apoiam a lei é porque sabem que, no estado democrático de direito, as leis servem para enquadrar os transgressores sociais e não os que cumprem legalmente com o seu dever de cidadão.

(*) Orley José da Silva é licenciado em letras pela UFMS, especialista em leitura e produção de textos e mestre em letras e linguística pela UFG, mestrando em estudos teológicos e professor na Rede Municipal de Educação de Goiânia, onde leciona para crianças de 6 a 12 anos.

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions