A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 23 de Maio de 2017

03/08/2014 10:15

Vírus Ebola: ameaça à saúde pública mundial?

Por Rivaldo Venâncio da Cunha

Entre junho e novembro de 1976, em algumas cidades do Sudão e do Zaire

(atual República Democrática do Congo) foram registrados 598 casos de

pessoas com uma febre hemorrágica aguda, sendo que destas 427 morreram. Os

dois surtos foram investigados por equipes multiprofissionais de especialistas sob

a coordenação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Todos os aspectos

relacionados com a doença foram objeto de minuciosos estudos, incluindo as

manifestações clínicas, alterações laboratoriais e, sobretudo, a identificação do

agente causador daquela gravíssima doença que havia provocado uma taxa de

letalidade de aproximadamente 70%. Posteriormente, os especialistas concluíram

que se tratava de um novo vírus, cujo nome surgiu em decorrência do rio

chamado Ebola, existente na aldeia Yambuku, localizada no Zaire/República

Democrática do Congo e onde teve início a segunda epidemia, sendo a nova

doença denominada Febre Hemorrágica pelo vírus Ebola.

De 1976 até o momento foram registrados cerca de 20 importantes surtos

da doença, todos em países da África. O surto que está ocorrendo na Guiné,

Libéria e Serra Leoa nos dias atuais é, de longe, o mais grave de todos. Na última

semana de julho corrente a Organização Mundial da Saúde informou que o surto

registrado nestes três países havia acometido 1.323 pessoas, sendo que 729

delas faleceram, o que representa uma taxa de letalidade de 55%.

Ao longo de quase quarenta anos de estudos sobre a dinâmica de

ocorrência da doença, muitos aspectos sobre as formas de transmissão do vírus,

manifestações clínica e métodos diagnósticos foram esclarecidos.

A introdução do vírus Ebola entre seres humanos geralmente ocorre por

contato com órgãos, sangue, secreções e fluidos corpóreos de animais silvestres

infectados. Segundo a OMS, há diversas evidências de infecções associadas à

manipulação de primatas não humanos, antílopes, porcos- espinhos e morcegos

frutívoros (que comem frutas) infectados e que tinham sido encontrados doentes

ou mortos em florestas. A partir daí, a cadeia para a disseminação do vírus

assume perfil mais intenso, pois passa a ocorrer de pessoa a pessoa por contato

direto ou indireto. No mecanismo direto, há o contato de mucosas e pele com

solução de continuidade com órgãos, sangue, urina, suor, leite materno e sêmen

(onde pode permanecer por até dois meses), dentre outros fluidos corpóreos de

pessoas infectadas; na segunda opção, pode acontecer o contato indireto com

materiais contaminados por esses fluidos. Essa diversidade de fontes potenciais

de infecção, juntamente com a existência de precárias condições de vida e frágeis

sistemas de saúde têm gerado sentimentos de perplexidade e incertezas quanto

aos desdobramentos possíveis para a atual epidemia.

Diante das elevadíssimas taxas de letalidade, que em algumas províncias

chegam a 70%, duas perguntas têm sido repetidas pelos meios de comunicação:

1) a atual epidemia de Febre Hemorrágica pelo Ebola é uma ameaça à saúde

pública mundial? A resposta é não; 2) a atual epidemia causada pelo Ebola é o

maior problema de saúde pública da África?. A resposta também é não!!

Indiscutivelmente, o maior problema de saúde enfrentado pelo povo africano é a

fome, doença crônica que mata mais de seis milhões de pessoas todos os anos.

Depois da fome, há outras doenças igualmente graves, como a Aids, tuberculose

e malária, que, juntas, matam aproximadamente três milhões de pessoas todos os

anos naquele continente.

E o que é mais grave: todo esse cenário de dor e sofrimento vive

esquecido pela maioria dos governos das nações mais ricas do mundo, a

exemplo do massacre e humilhação a que está sendo submetido o povo palestino

neste momento.

A omissão e a indiferença diante da fome de grande parte do povo africano

nos fazem lembrar o silêncio de parte expressiva das autoridades e do governo

do estado mais rico do Brasil quando ocorreu o chamado massacre do Carandiru,

assim registrado pelos poetas baianos:

“E quando ouvir o silêncio sorridente de São Paulo diante da chacina

111 presos indefesos

Mas presos são quase todos pretos

Ou quase pretos,

Ou quase brancos quase pretos de tão pobres

E pobres são como podres

e todos sabem como se tratam os pretos...”

(Caetano Veloso e Gilberto Gil).


*Rivaldo Venâncio da Cunha é doutor em Medicina Tropical – Coordenador Técnico da FIOCRUZ em MS

Escravização, trabalho, imaginário e imprensa
A relação da imprensa com a abordagem do trabalho nunca foi tranquila. Isso porque a visão da mídia no campo do trabalho está muito associada ao aten...
Admirável (ou Abominável) Mundo Novo
Volto a escrever sobre a Previdência. Não me move o oportunismo de aproveitar o mau momento do governo que promove reformas tidas e havidas como rede...
A questão ambiental nas empresas
A questão ambiental há algum tempo tem emergido como uma questão importante na gestão das empresas e os benefícios estratégicos da preservação ambien...
O fim da escola sem fim
As raízes mais remotas da escola, tal como nós a conhecemos hoje, estão depositadas na Grécia Antiga, especialmente referenciadas, ao redor do século...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions