A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

20/07/2012 08:33

Visto para viajar aos Estados Unidos: a “mentirinha” pode ser fatal

Por Leonardo Bittar (*)

Os atentados terroristas perpetrados contra os Estados Unidos em 11 de setembro de 2001 e a então iminente ameaça de novos ataques tiveram como uma de suas consequências o controle mais rigoroso da entrada de estrangeiros no território norte-americano e deflagraram a maior reestruturação governamental federal desde a criação do Departamento de Defesa, em 1947.

Esse foi o contexto da criação do Departamento de Segurança Interna (“Department of Homeland Security”), que possui entre seus objetivos a prevenção contra o terrorismo, o controle e segurança das fronteiras e a execução das leis de imigração. O papel de coibir a entrada de imigrantes ilegais ficou a cargo da maior agência vinculada àquele departamento, o “Customs and Border Protection” (CBP), em tradução livre “Aduana e Proteção de Fronteira”.

Para a execução eficiente de seus misteres, os oficiais do CBP contam com um moderno sistema de informática, capaz de cruzar informações de diversas agências e bancos de dados, possibilitando a identificação instantânea de indivíduos determinados a ingressar ilegalmente nos Estados Unidos.

Esse aparato dificultou sobremaneira a vida de viajantes que, no passado, estiveram no país em situação migratória irregular e que pretendam retornar, mesmo que para um simples passeio turístico. Cidadãos que permaneceram por períodos mais longos que o permitido ou que cruzaram a fronteira sem passar pelo controle migratório são os mais expostos à inadmissão.

A situação se agrava quando, ao pleitear visto, o interessado presta informações falsas à autoridade consular norte-americana. Temendo a denegação, alguns candidatos omitem a verdade e acabam por receber o visto. Imagina-se que o pior cenário possível seja a não autorização de entrada e a deportação, direto do aeroporto, de volta ao país de origem. Ledo engano.

De acordo com o código de leis dos Estados Unidos comete crime federal aquele que presta declaração falsa em formulário ou qualquer documento exigido pelas leis de imigração. Quem obtém visto marcando o “x” em “não”, quando deveria marcar em “sim”, está sujeito, ao tentar entrar no território norte-americano, a ser preso e processado por crime de fraude e utilização abusiva de visto.

A preocupação gerada pela ameaça do terrorismo tornou eficaz a detecção dos transgressores e rigorosa a aplicação da legislação criminal. Pessoas simples, que não fazem ideia da gravidade das consequências de suas ações, estão sendo presas e respondendo a ações criminais perante a justiça federal norte-americana.

Definitivamente a “mentirinha” não compensa.

*Leonardo Bittar é Vice-Cônsul no Consulado-Geral do Brasil em Miami

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...


Muito interessante!!!
 
Josy Araujo em 20/07/2012 01:01:59
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions