ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  23    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Advogada presa por tráfico consegue prisão domiciliar

Habeas corpus a Cristiane Maran foi concedido mediante monitoramento eletrônico com tornozeleira

Por Lucia Morel | 29/12/2023 14:37
Dinheiro em espécie, celulares e joias apreendidas pela PF em 8 de dezembro. (Foto: Divulgação PF)
Dinheiro em espécie, celulares e joias apreendidas pela PF em 8 de dezembro. (Foto: Divulgação PF)

A advogada Cristiane Maran Milgarefe da Costa, presa na Operação Sanctus da Polícia Federal em 8 de dezembro, em Dourados, foi beneficiada com prisão domiciliar e uso de tornozeleira eletrônica. Ela foi alvo também de busca e apreensão e na casa dela foram encontrados R$ 40 mil e mais 4 mil dólares, ambos em espécie. Ela é acusada de integrar organização criminosa que realiza tráfico de drogas.

Decisão de ontem do desembargador André Nekatschalow, da 5ª Turma do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), concedeu o habeas corpus pelo fato de a advogada ter filho com menos de 12 anos de idade. “A substituição da prisão cautelar por medidas cautelares alternativas permitirá o convívio da criança menor de 12 anos com a sua genitora, em observância às diretrizes do Estatuto da Primeira Infância”, define o magistrado.

O desembargador reforça que o Código de Processo Penal estabeleceu, como regra, a substituição da prisão preventiva da mulher gestante ou responsável por crianças ou pessoas com deficiência por prisão domiciliar, “sendo esse o caso dos autos, visto que a paciente é mãe de uma criança de 11 anos de idade”.

Apesar disso, Nekatschalow não evidencia que o benefício decorre da inocência da advogada, uma vez que ele frisa que concederá a liberdade monitorada “apesar da gravidade concreta dos fatos investigados, evidenciada principalmente pela vinculação da organização criminosa com outros grupos criminosos de enorme periculosidade, e da suposta participação da paciente nos crimes de tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro”.

O vínculo de Cristiane Maran com o grupo criminoso é seu relacionamento com o suposto chefe da organização, Hermógenes Aparecido Mendes Filho, de 49 anos de idade. Segundo a acusação da Polícia Federal, que desencadeou a operação, a advogada teria participado das tratativas relativas ao transporte de entorpecentes e respectivos pagamentos ao lado do companheiro.

Além disso, “elementos colhidos no bojo do inquérito policial indicam que a paciente teria acompanhado Aparecido (como é mais conhecido) em diversas viagens a Pedro Juan Caballero, no Paraguai e a Goiânia (GO) realizadas com tal finalidade”, cita a decisão. Para piorar, ela seria usada como laranja na ocultação de propriedades que, de fato, seriam de Hermógenes.

Operação - De acordo com a Polícia Federal, as investigações começaram em outubro e identificaram os dois irmãos – Hermógenes Aparecido Mendes Filho e Ronaldo Mendes Nunes, 40 – como líderes da organização criminosa, baseada em Dourados.

O grupo escondia drogas em pneus de caminhões de carga para despachar de Pedro Juan Caballero, no Paraguai, para o interior do Paraná. Na sequência, a carga tinha o Rio de Janeiro como destino.

Os investigados utilizavam uma rede de pessoas e empresas para lavar o dinheiro do tráfico e faziam os depósitos em dinheiro vivo em terminais de autoatendimento. O esquema contava ainda com a ocultação patrimonial de empresas e imóveis com propriedade em nome de "laranjas" e "testas de ferro".

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias